Depoimentos

Você é adepto da Alimentação Natural caseira crua ou cozida para cães, gatos ou ferrets? Conte-nos um pouquinho sobre sua experiência pessoal com a dieta! Basta clicar aqui e escrever seu recado.

Quer enviar uma foto do seu pet devorando um meaty bone (osso carnudo), roendo um osso recreacional ou se deliciando com um prato de carnes e legumes? Clique aqui e mande sua foto, informando nome e raça do seu pet, junto com a cidade e Estado onde ele mora.  A(s) foto(s) do seu melhor amigo serão publicadas na nossa seção Fotos do seu Pet Verde!

Para ler os depoimentos deixados por nossos leitores diretamente aqui no site, clique aqui (comentários conforme publicados pelos próprios leitores) ou confira alguns deles abaixo, junto com outros que chegaram por email, facebook, twitter, etc:

Fernanda diz:

20 de setembro de 2013

Sylvia e Vanessa,

Meu nome é Fernanda, moro em Valinhos, interior de São Paulo, e conheci a AN no final de 2011. Na época uma das minhas rottweilers, a Jade, que estava prestes a completar 12 anos de idade e sempre teve sensibilidade gastrointestinal, começou a piorar desse quadro e apresentar vômitos diários. Até então eu desconhecia os benefícios da AN – embora em uma memória distante me lembrasse de que a Magui, uma SRD que nasceu um ano depois de mim, viveu 15 anos sem nunca ter ficado doente e nem comido ração, que só começou a existir de forma mais acessível no mercado no final da vida dela, e ela se recusava a aceitar.

A Jade sempre foi alimentada com ração “super premium”, e por causa desse quadro crônico de sensibilidade gastrointestinal que veio a piorar com a velhice começou a enfraquecer; a ração não parava mais no estômago, e ela iria definhar se eu não achasse uma alternativa alimentar mais adequada para a situação dela. Comecei a pesquisar o assunto, descobri o Cachorro Verde e, após ter conversado com a veterinária que a acompanhava na época, comecei a oferecer a AN cozida com algumas adaptações sugeridas por ela – mas com a ressalva de que aquilo deveria ser temporário e que, com a melhora, eu deveria voltar a dar ração.

Em poucos dias a Jade se transformou e parecia ter rejuvenescido. Os vômitos diários diminuíram, a indisposição desapareceu, a pelagem ficou linda novamente e o hálito ruim desapareceu. Eu continuei a estudar o assunto em outros sites, livros, artigos (a maioria ainda em inglês) e abandonei completamente a ideia de voltar a dar ração, tanto para a Jade quanto para a Nina, minha outra rottweiler, na época com quatro anos e sem problemas de saúde.

Com a AN (inicialmente cozida e, depois, crua sem ossos), a Jade viveu mais um ano, chegou aos 13 e morreu um mês depois, em outubro de 2012, bem velhinha, quase um recorde para a raça. Comeu melhor no último ano de vida do que nos 12 primeiros anos, com uma voracidade que chegava a espantar. Eu definitivamente abandonei a ração e prometi, por ela, nunca mais colocar um pacote de comida industrializada para pets dentro de casa.

Em setembro de 2012 já havia iniciado a Nina na AN crua com ossos. Logo depois que a Jade morreu, minha irmã adotou uma gatinha SRD, a Lola, que acabou vindo morar comigo; mal chegou e já foi apresentada à AN crua.

Já com alguma experiência, fiz o curso do Cachorro Verde em fevereiro de 2013 e não parei mais de estudar. Hoje a Nina, com cinco anos, e a Lola, com um ano, estão felizes e saudáveis e têm freezer e geladeira exclusivos para a comida delas. Minha logística de compras e preparo está 100% organizada dentro da minha rotina. Meus pais, com quem moramos, estão totalmente adaptados a essa rotina e são eles que normalmente servem as refeições com os complementos. Com organização e dedicação, não tem como dar errado.

Em algumas semanas teremos uma nova integrante na família, a Maya, outra rottweiler, que chegará em casa com 4 meses de vida e será imediatamente apresentada à AN crua para filhotes.

Graças à Jade abri a cabeça para essa alternativa de dieta que se mostrou imensuravelmente melhor para os meus animais. Os depoimentos que li no Cachorro Verde também foram fundamentais para me ajudar a tomar essa decisão. Espero que meu relato ajude da mesma forma aqueles que venham procurar informações para melhorar a saúde e a qualidade de vida de seus pets. Há muito mais benefício do que custo nessa equação. É só uma questão de prioridade.

Obrigada pelo trabalho de vocês. Muito obrigada!

Mariana diz:

22 de agosto de 2013

Olá Sylvia e Vanessa, tudo bem?

Meu nome é Mariana e junto com meu namorado Bruno, tenho 3 cães. São eles: Pingado, Pepita e a filhotinha Cacau. Moramos em Rio Claro, interior de São Paulo. (Veja aqui fotos desse trio fofíssimo.)

Iniciei a Alimentação Natural Crua em janeiro deste ano, após a sugestão de um amigo em um churrasco. Entrei no site de vocês e eu e Bruno achamos muito interessante a ideia de alimentar os nossos cães com alimentação natural e saudável.Vejam, na primeira vez quase terminamos o namoro (!), por causa da falta de tato em separar, calcular, manusear as carnes, mas agora não nos arrependemos nem um pouco de ter optado por uma escolha saudável para os três.

Cada um tem uma história diferente, lá vai:

Pingado – um vira-lata de mais ou menos 8 anos. Eu peguei ele da rua faz mais ou menos 6 anos, e ele estava sarnento, com os pelos revoltos, magro, etc. Apesar de sempre tê-lo alimentado com uma ração Premium muito boa (Golden Formula), ainda algumas alergias persistiam, dessas que faz o cachorro se coçar até ficar em carne viva, sabe? E o pelo, sempre meio crespo, que era meio duro sei lá, um pelo estranho… Logo no começo de fevereiro, as alergias e coceiras pararam, e o pelo ficou muito mais brilhante e bonito!

Pepita – uma vira-lata com 6 anos aproximadamente. A Pepita sempre foi bem ativa, mas depois de sua castração (há uns 3 anos), ela ficou beem sedentária e começou a engordar (também acho que ela pode ter uma predisposição).. Após a alimentação natural, ela emagreceu um pouco e ficou mais ativa; além do pelo também ter ficado brilhante!

Cacau – uma outra vira-lata que pegamos em julho. Ela vai fazer 4 meses, nasceu em uma ninhada da cachorrinha da minha vó em maio. Começamos a alimentação natural dela no começo deste mês. Incrível como as fezes dela eram muito fedidas, o xixi tinha um cheiro de ferro estranhíssimo. Demos ração por 1 mês (também a Golden Formula) pra ela pois ela já estava comendo ração na casa da minha vó. Logo no primeiro dia de comida natural, o cocô dela estava com pouco cheiro (como o dos adultos) e o xixi perdeu o cheiro de ferro. Como com a ração nossos bichinhos comem coisas sem necessidade, não é?

Bom, gostaria de agradecer imensamente a vocês pelo site e por nos ajudar a oferecer a qualidade de vida que meus três filhotes merecem! Fez uma diferença tão grande que agora eu, que também defendia a ração como melhor forma de alimentação para os cães, estou indicando essa mudança a todos que eu conheço.

Enfim, obrigada!

Beijos e lambidas do Pingado, Pepita e Cacau!

Mariana

Mariana diz:

5 de setembro de 2013

Olá pessoal!
Apresento-lhes a Moleca, uma vira-lata de 7 anos. A resgatamos há 6 anos numa avenida movimentada da nossa cidade, estava bem debilitada, com a pata quebrada, nem consigo pensar no que ela passou nas ruas antes de encontrar a gente.
Há uns meses ela andava meio tristinha, sem vitalidade e energia. Fomos ao veterinário e descobrimos que ela estava com a doença do carrapato (embora eu tivesse achado nela apenas 5 carrapatos ao logo de todos esses anos; 4 deles de uma vez, quando voltamos de um passeio a beira de um lago há anos).
Enfim, foi uma batelada de remédios, exames, etc. Ela ficou bem, mas baqueada. Fui pesquisar sobre alimentação canina. Queria que ela tivesse uma boa resistência para enfrentar doenças que pudessem vir com a idade. Eu não quis castrá-la. Cuido dela com muito esmero e não vou deixar que ela fique prenha. Acho castração uma medida drástica e invasiva, mas entendo a necessidade para o controle. Enfim, não é o caso da Moleca.
Pelo facebook encontrei um relato de uma moça sobre sua cachorrinha contando que esta estava desenganada pelos veterinários, com um caso agressivo de cancer. Ela relatou que, por intuição, parou de dar comida industrializada e passou a dar comida natural a cachorrinha. Vcs devem conhecer esse caso, fez sucesso na internet. Há fotos da rápida recuperação da cadelinha em poucas semanas de alimentação natural. Parece um milagre.
Aí, através das buscas sobre o assunto, passei a visitar o site de vcs com frequência e a me informar melhor sobre esse tipo de alimentação. A Moleca AMA a nova comida. Meu marido e eu já percebemos a diferença no comportamento dela. Está muito mais ativa, bem humorada, brincalhona.
(Veja aqui) algumas fotos dela na hora do almoço. Ela fica maluca, late e pula toda vez que eu corto um legume cozinho pra ela.
Obrigada por esse serviço tão bacana que nos tem oferecido. Percebo o cuidado com que tratam o assunto, os posts são muito bem feitos e cheios de informação.
Poderia ficar horas aqui falando dos benefícios de tudo isso e sobre a Moleca, mas vou poupá-los…melhor parar por aqui, rsrs.
Obrigada e grande abraço.

Mariana, Jon e Moleca.

Nathasha, diz:

10 de agosto de 2012

O Mailon é um lindo mestiço de pitbull, branco e caramelo. Adotei ele ainda filhote, com cerca de 3 meses. Ele, sua mãe e mais 5 irmãozinhos foram abandonados em um sítio próximo a Piracicaba. Uma amiga minha que tinha um sítio próximo os encontrou e começou a cuidar deles uma vez por semana, que era a frequencia com a qual ela podia ir para o sítio. Todos os cães foram doados e o Mailon veio parar em minhas mãos. Sempre pensei em maneiras de mudar a alimentação dele da comum ração, que eu desconhecia os cacarecos que eram triturados ali para ficar com gosto de nada, para algo mais gostoso e natural. Foi então que, essa mesma amiga que o encontrou no sítio, me apresentou para o site do cachorro verde e nós nos encantamos.

Assim que li sabia q essa era a dieta certa para mim e para o Mailon. Ele aceitou logo de cara tanto as carnes, que confesso que ele não tinha como recusar, como os legumes e frutas. Ele passou de um cão magro, uma vez que ele não conseguia encorpar com a ração (muito hiperativo o meu menino), para um cachorro forte e feliz. Hoje em dia ele come de tudo e seu menu favorito é peixe e brócolis. Ele tem até mesmo o hábito de comer a carne primeiro, mas ele não larga nenhum legumes em sua tigela após isso, limpa tudo bem bonitinho e depois vem todo contente me agradecer a refeição! Seu comportamento também continua do mesmo cão adorável de sempre, sem ter se tornado nem um pouco possessivo com a comida depois dela ter virado essa explosão de sabores de todos os dias. Seu pêlo ficou mais bonito e seus dentes são escovados todas as semanas, ficando bem mais limpos por conta dos ossos que ele devora!

Agora, essa mestiça de pastor australiano é a Bella. A meninona foi resgatada com cerca de um ano de idade após ter sido atropelada e abandonada no campus da UFSCar de Sorocaba, que é onde eu estou terminando meu mestrado em biologia. Há uma ONG atuante na faculdade que levou a Bella ao veterinário que atende para a Instituição assim que ela foi jogada no campus, no entanto, o médico deu uma olhada nela, disse q não tinha nada e mandou de volta para faculdade. A Bella circulou pelo campus duas semanas, cada vez andando mais devagar e passando mais tempo deitada. Não reclamava de nada e não se escutava nenhum gemido de dor. Isso foi bem no mês do Natal e o campus se esvaziou de alunos e professores, deixando a Bella sozinha e sem comida. De uma cachorra de porte médio, com peso de cerca de 18 kg, a Bella estava com 12 kg e mal podia andar. Trouxemos ela para nossa casa e qual foi a surpresa ao descobrir por um raio-x que ela tinha 5 fraturas na bacia e um deslocamento que poderia deixar sequelas.

Entrei aos poucos com a alimentação natural, sendo que no começo o unico vegetal que a Bella aceitava comer era brócolis!! Depois de muita insistência, carne e fígado, a Bella ficou forte e apesar de ter as patas de trás um pouco travadas, ela corre solta aqui em casa, brincando com o Mailon, subindo e descendo escadas como se nunca tivesse tido problemas nenhum!

Moramos em Sorocaba, eu, meus cães, uma amiga minha que também faz faculdade aqui, nossos agapornis e muitos peixes. Os cães são todos castrados, amam sua comida e adoram brincar no quintal! Aqui em casa não tem briga por comida, eles comem um do lado do outro e quando um termina antes, senta e fica observando o outro terminar de comer hehehe…são lindos!

Espero que goste da história desses dois bonitos… obrigada pelo seu site, mudou muito a vida desses dois cães muito felizes e saudáveis!

Abraços e lambidas dos dois,

Natasha

Maria Espinheira diz:

08 de agosto de 2012

O depoimento é longo, mas espero que leiam!

Marley é um labrador mestiço de 1 ano e 9 meses, + – 30 kg, e está há mais de 1 mês comendo Alimentação Natural crua e com ossos. Ele não gostava de nenhuma ração, passava mais de 24h em jejum, e acabava vomitando uma espuma amarela, que depois vim saber que era bile. Só comia direito quando misturávamos aquele patê da Pedigree na ração (Hill´s), ou alguma fruta, como banana ou mamão. Já teve infestação por carrapatos 2 vezes, sendo que na última teve babesiose. Fez o tratamento com IMIZOL em maio.

Desde que ele veio morar conosco (com 45 dias de nascido), fui neurótica com limpeza e cuidados, dava verdadeiros banhos de frontline nele regularmente, o que, acredito eu, tenha contribuído para diminuir a imunidade aos carrapatos. Meus cuidados ANTES das infestações eram: coleira Scalibor, banho de frontline spray e pipeta de frontline no dorso. Como nada disso adiantou, resolvi rever meus conceitos. O que eu deveria fazer para que meu cachorro não tivesse carrapatos e, consequentemente, não ficasse doente de novo? Eu teria que privá-lo dos passeios na rua? Teria que enrolá-lo num plástico (tipo aquela proteção de mala no aeroporto) se quisesse sair com ele? Como ele seria feliz sem passear, sem encostar numa árvore ou correr na grama? Não aceitei isso. Marley tinha que ser um cachorro normal, feliz, que passeia, brinca…por que os outros cachorros faziam isso e não ficavam doentes, e o meu, com tantos cuidados, parecia um ímã de carrapato?

A veterinária dele, que é uma grande amiga minha, já havia me apresentado à homeopatia veterinária…usei 1 vez, mas confesso que na época me sentia mais segura com o frontline, mesmo conhecendo os benefícios da homeopatia (eu já havia feito tratamento homeopático contra problemas respiratórios). Pesquisei, pesquisei…já tinha visto o blog do Cachorro Verde uma vez, mas confesso que fiquei com preguiça de ler tanta coisa, e também achei que aquilo era exagero…afinal, a RAÇÃO continha tudo o que meu filho precisava…e eu comprava sempre as melhores e mais caras.

Resolvi voltar ao site e ler com calma…realmente, tudo aquilo fazia sentido. A gente vive “no automático” e esquece de pensar em várias coisas…por exemplo, nunca me passou pela cabeça que os cachorros de antigamente não dependiam de ração para viver…Eu achava que alimentação natural era dar RESTOS de comida ao cão…a sobra do almoço…Na minha cabeça, era como se a ração fosse o filé mignon, e a comida fosse “lavagem”. Ao ler o material do site com atenção, pude perceber que aquilo não era modismo, nem tinha sido escrito por uma pessoa leiga no assunto. Li muito, por vários dias, me convenci e me animei, mas não sabia como colocar em prática. Tinha medo de errar as quantidades, de comprar errado, de fazer mal a Marley… ]

Através do site maedecachorro achei um vet em Salvador que me deu apoio e me ajudou a organizar as ideias…(minha amiga vet AINDA não é adepta da AN). Os depoimentos que li aqui foram fundamentais para a minha “adesão”. Estou mais segura agora, claro que cometi erros, mas estou vendo os resultados de todos os acertos na saúde do meu filho. Ele está MUITO feliz, come com vontade, lambe o prato ao final de cada refeição. Nem parece aquele cachorro totalmente indiferente quando via a ração…agora ele come com prazer, balançando o rabo!

ERROS cometidos: não fiz a adaptação gradual como Sylvia recomendou…ao invés de iniciar com ração e meaty bones, coloquei carne e ração…ele teve diarréia…então tirei a ração e dei só carne…aí a diarréia melhorou e ele adorou. Venci o medo (dos ossos) e comprei os meaty bones, só que ofereci logo o pé de porco (tive dificuldade em encontrar pescoço de frango). Não sei se foi alergia ao pé de porco ou se foi alguma reação pela mudança da alimentação, mas ele teve muita coceira, e ficou cheio de feridinhas vermelhas pelo corpo. Agora estão quase todas cicatrizadas, mas por via das dúvidas, não vou oferecer nada de porco tão cedo.

MUDANÇAS: Estou mais natureba com ele, aboli o frontline, acho que só vou usá-lo se formos passear na fazenda. Comprei homeopatias, e continuo dando diariamente…acho que esse tratamento homeopático será eterno. Não tenho mais medo de passear com ele, deixo que ele pise na grama, cheire a árvore…agora confio que a imunidade dele vai protegê-lo, caso apareça algum carrapato. Quase não uso mais água sanitária para fazer a limpeza das áreas que ele fica, optei usar vinagre para isso (confesso que virei a maníaca do vinagre). Notei que ele está muito mais feliz, saudável, faz uns 2 meses que não acho nenhum carrapato nele (inspeciono-o quase todos os dias). O pêlo está mais brilhante e sedoso do que antes, os dentes mais limpos do que nunca…Ele está super guloso, no começo achei que estava dando uma quantidade insuficiente, pois ele parecia estar sempre com fome…mas depois li no site que isso acontece mesmo…não notei diferença no peso, mas ainda não o pesei…vou fazer isso em breve. Antes ele bebia em média 2l de água por dia…agora ele bebe menos de 1 litro…sei q a AN é composta de muita água, e não possui aqueles aditivos q dão sede ao cão…

MEDOS: tive medo de dar carne com ossos, medo de a casa ficar fedida a carne, medo de ele ficar com bafo…tsc tsc! Não aconteceu nada disso!! A única coisa q tive q fazer foi levantar a caminha dele enquanto ele come, porque no 1ª dia ele levou o pé de porco pra comer na cama e sujou um pouco. Ele devora tudo em poucos minutos, então não fica NADA de cheiro na casa, nem nele. Aliás, até o cheiro dele mudou…não é aquele cheiro de cachorro que você sente de longe…a impressão que dá é que ele tomou banho no dia anterior…é incrível!! E bafo ele só teve no 1º dia que comeu sardinha…depois que comeu novamente, já não senti nada.

Uma dica pra quem trabalha fora e precisa sair cedo de casa, como eu, é dar os ossos carnudos de manhã, pois assim o único trabalho é tirar da geladeira e colocar na vasilha do cachorro. À noite, já sem pressa, coloco as carnes, verduras e complementos.

Não tenho nem palavras para agradecer à Sylvia por tudo que o trabalho dela fez pelo meu filho…não me canso de falar nos benefícios da AN, mesmo quando acham que sou maluca ou que não tenho o q fazer…nem ligo! Também não posso deixar de agradecer à Ana Corina, do maedecachorro…aprendi muito lá!! Tenho vontade de proporcionar a todos os cachorros os mesmos benefícios que Marley está tendo, mas infelizmente não posso fazer milagre…o que posso fazer é indicar os sites, pedir que leiam e que pensem na saúde dos seus pets.

Tudo o que eu mais quero pro meu filho Marley é que ele tenha saúde, qualidade de vida, e seja feliz…que brinque, corra, e que seja sempre esse cachorro maravilhoso que eu amo mais do que tudo, se possível por muitos e muitos anos…e tenho certeza q vou conseguir tudo isso graças ao trabalho de vocês!!

Obrigada mais uma vez!!!

Maria

Gustavo Vidal diz:

24 de julho de 2012

Conheço a AN faz mais ou menos um ano. Nessa ocasião resolvi aumentar o número de membros em casa. Já tinha uma vira-lata, a Luvinha, e resolvemos comprar um Akita. Acabamos escolhendo o Canil Matsuyama, e o pessoal de lá nos indicou o site do Cachorro Verde e junto a AN (Alimentação Natural) que já dava para os cachorros deles. O Akashiro, o nosso filhotinho de Akita que pegamos no canil, já veio acostumado com a AN, além disso é filho de pais acostumados com AN, então sem comentários!!! Agora a diferença que vi na minha vira-lata foi sensacional! A diferença na pelagem dela, no temperamento dela, na saúde dela! Nesse um ano fazendo a AN para meus dois filhinhos, tive meus erros e meus acertos, mas falo para vocês que vale muito a pena, hoje, com certeza, sei quais tipos de carnes os dois gostam, quais locais comprar, como comprar, como negociar o preço das coisas nos açougues, qual quantidade dar para cada um dos cães. Hoje a minha afinidade é tanta que comecei a dar a AN para os dois vira-latas que tenho no meu sítio e a diferença também é enorme, salta às vistas. É muito gratificante olhar para eles e ver como estão saudáveis, alegres e bem dispostos, aprontando bastante e sendo o que um cachorro deve ser: a alegria da casa.

Mariana Bergamo diz:

03 de julho de 2012

Como a seção de depoimentos foi definitiva para a minha decisão de mudar a alimentação das minhas filhotes, as meninas me pediram para escrever um depoimento bem bonito! Afinal elas serão eternamente gratas por comer comida de verdade!!! Afinal, quem aguenta passar a vida comendo bolinhas secas?

A primeira vez que li sobre AN foi no site da Mãe de Cachorro. Ai fui fuçar no site do cachorro verde, e confesso que minha impressão não foi das melhores.

Li sobre a AN, e pensei que aqueles donos eram um bando de gente que não tinham o que fazer. Como assim ficar cozinhando para o seu cachorro? Aí pra piorar eu fui ver as fotos dos pets adeptos e tinha um bem branquinho, com um osso cheio de coisas vermelhas. Fiquei com nojo. Comentei com meu marido sobre a nova descoberta e fiz várias criticas. Mas como “quem desdenha, quer comprar” eu voltei umas 100 vezes no site da Sylvia. Só pra me certificar que ela era uma veterinária maluca e que seus pacientes tinham pais desocupados.

Na verdade eu sempre fiquei chateada de ver as minhas pequenas comendo aquelas bolinhas secas e sem graça. Por isso eu sempre que comia alguma coisa, dava pedações pra elas (incluindo chocolate! O que levou ao inchaço da Kimi, meu desespero, e uma conta astronômica na clínica). Então, as coisas começaram a fazer sentido. Fui lendo os depoimentos e vi que preparar a comida do seu pet não era coisa de gente desocupada, era coisa de quem não tinha preguiça. E eu que sempre me achei uma super mãe, estava falhando.

Convenci o marido que aquela veterinária maluca que eu tinha falado mal, talvez tivesse uma solução para os problemas de pele da nossa salsicha. Ela lutava contra uma alergia na pele a bastante tempo. E estava desenvolvendo alergia a vários medicamentos. Ele me deixou marcar uma consulta, mas desde que eu pagasse com o meu dinheiro! rsrsrsrs

Marquei com a Sylvia, e depois de alguns latidos e rosnados, as minhas meninas se apaixonaram por ela. Fizemos por exatas 8 semanas uma dieta rígida a base de carne de cordeiro. Fui muito criticada por um monte de gente: pai, amigos, primos.. Aonde já se viu dar cordeiro pro cachorro??? Não importava. A alergia simplesmente desapareceu e as minhas duas filhas (antes gordinhas) estavam emagrecendo.

Outra mudança milagrosa foi a felicidade na hora de comer. Não dá pra explicar. Elas pulam, choram, dão voltas em torno da gente… Elas não são mais fedorentas. Não tem bafo e a minha casa quase não tem mais cheiro de cachorro!!! Desde fevereiro começamos a alimentá-las com a orientação da Sylvia. Demanda um pouquinho de tempo (bem menos do que as pessoas imaginam), e muita paciencia para escutar bobagens!

Hoje, aqui em casa tenho orgulho em dizer que não compramos mais ração. E o meu marido que não ia nem ajudar a pagar a consulta, faz as porções das meninas pra congelar junto comigo. As vezes faz até sozinho! Não preciso mais comprar cordeiro, porque a alergia não era da carne de boi ou de frango, era provavelmente de alguma porcaria que tinha na ração Super Premium que custava um fortuna. Gostaria que cada vez mais donos de cães, que amam seus filhos, descobrissem e dessem uma chance para a alimentação caseira.

Sylvia, não tenho como agradecer o que você fez para as meninas!

Que você continue prosperando e levando saúde e bem estar para os peludos!

Um grande abraço da nossa família!

Mariana, Marcio, Kimi e Yumi.

Felipe diz:

29 de fevereiro de 2012, às 10:01

Olá pessoal, tenho uma cachorrinha fantástica, uma linda Boston Terrier de 1 ano de idade, chamada Roxane. Ela sempre foi alimentada com ração super premium e sempre foi muito saudável. Porém ela tinha um probleminha que me incomadava um pouco, quando ficava sozinha em casa fazia cocô várias vezes e até os comia (isso chama-se coprofagia). Descobri que a AN pode ajudar nesses casos e comecei a oferecer a ela a nova dieta. Pra minha surpresa em apenas 3 dias da mudança as diferenças em seus hábitos eram gritantes. A quantidade de fezes reduziu drasticamente e estão extremamente sequinhas e sem cheiro (e antes fediam bastante), o hábito da coprofagia melhorou 100% e o mais importante é que agora ela espera ansiosa pela hora da comida e come com imenso prazer e felicidade…. e isto não tem preço !!!

Vanessa Penteado Gomes diz:

22 de fevereiro de 2012 às 12:15

Sou estudante de medicina veterinária, ainda no 2º ano. Conheci o site Cachorro verde em 2009, por comunidades de redes sociais que tinham adeptas a AN a seus cães. Sempre me interessei pelo assunto, pois a Lara, uma shih tzu hoje com 3 anos, sempre foi muito chata para comer. Colocávamos a ração e ela simplesmente negava, havia dias que comia normalmente, mas o natural era que passasse dias recusando e com o estômago “reclamando de fome”. Ao conhecer o site fiquei super empolgada em iniciar, mas por inexperiência acabou não dando muito certo. A Lara ao ingerir os meaty bones ficava ansiosa e os engolia inteiro. Horas depois por indigestão vomitava-os, inteiros. A veterinária na época foi contra. Enfim… 2 anos se passaram e comecei a estudar Medicina Veterinária, hoje graduanda e com mais conhecimento do absurdo das indústrias de rações, decidi me informar no site e formular suas dietas. E foi só maravilha. As duas trituram os ossos com calma, não vomitam e comem com muita voracidade. Percebo a felicidade no olhar. A Lola, hoje com 2 anos, que antes era magrinha e demorava em torno 20 minutos para comer apenas 80 gramas de ração, está com peso ideal, e devora todo o alimento, e pasmem, ainda tenta roubar o da Lara… kkk

Foi a melhor coisa que fiz, hoje elas são mais felizes e eu mais segura. Com certeza serei uma veterinária adepta a AN…

Agradeço a Dra. Sylvia, minha futura colega de profissão, por criar um site tão rico em informações para que proprietários possam fazer da alimentação de seus pets algo mais saudável e prazeroso. Quem quizer conhecer as minhas peludas, enviei fotos para serem publicadas no link adeptos a AN.

Abraços a todos.

Vivian Mauro diz:

09 de fevereiro de 2012, às 16:44

Segue o meu relato: depois de 2 anos, descobri que uma das minhas Westies era alérgica a ração. Ela não tinha pêlos nas patas & pernas e tinha uma gastrite crônica. Vivia internada, vomitava muito até o dia que foi liberada por seu dermatologista, nada mais, nada menos que o Presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária, para começar AN do Cachorro Verde. Desde então, ela é outra. Nunca mais vomitou, os pêlos voltaram a crescer e ninguém mais a chama de “canela fina”. Todos os vets ficaram muito impressionados com a sua completa recuperação e começaram a rever seus conceitos e a indicar o “CACHORRO VERDE” aos seus “pacientes”!

Essa é uma tendência mundial, é a AN = Alimentação Natural.

Tudo é feito por uma veterinária nutróloga, muito estudiosa e super dedicada.

Ah! Sou vegetariana há 30 anos e nunca imaginei ver a minha geladeira lotada de carnes vermelhas, brancas… mas pela saúde & felicidade da gAUlera aqui, não meço esforços; faço com todo prazer!

Cynira Araújo diz:

04 de fevereiro de 2012, às 15:28

Tenho um Pastor Alemão e uma Labradora que estão sendo alimentados com AN há 3 meses, antes comiam rações super premiuns para a raça especifica de cada um, ou seja, não troquei o alimento dos meus cães com algo que eu realmente não me sentisse segura. São três meses apenas e as diferenças físicas são gritantes. Pelagem bem mais abundante, mesmo estando em pleno verão, energia para brincar, fazer caminhadas e treinar, já que pratico schutzhund com meu Pastor. Fezes sequinhas, em pequena quantidade, dentes brancos sem intervenção de veterinários. Eu estou satisfeita, meus cães estão satisfeitos, e não pretendo mudar o modo de alimentar meus cães. Obrigada a Dr. Sylvia por se dedicar tanto na busca por uma vida mais saudável para nossos melhores amigos.

Rebeca Maria, diz:

01 de fevereiro de, 2012 às 17:27

Olá para todos os Cachorros Verdes! ^^

Já adianto que meu depoimento vai ficar um pouquinho longo.

Meu nome é Rebeca e sou veterinária em Teresina-PI. A minha história com a AN já é antiga, quando eu nem mesmo sabia que era chamada de AN. Em 2004 eu adquiri um filhote de Pastor Alemão Preto, que chamei de Sirius Black. Na época, queria que ele fosse bravo, pra proteger a casa e essas coisas e minha mãe disse que se desse carne com sangue pra ele, ele ficaria bravo. Eu estava na escola ainda, mal sabia de qualquer coisa e minha mãe não deixou que eu desse carne crua pra ele.

Uns 3 anos mais tarde, em 2007, conheci um criador de Labradores altamente renomado e ele disse que dava carcaças de frango para os cães. Disse que melhorava a pelagem, os dentes e a disposição. Ele comprava congelado e descongelava e dava para os labradores dele. Eu insisti com a minha mãe pra ver se o Sirius comia. Ele sempre foi bem enjoado pra comer ração, torcia o focinho e comia um pouco e deixava quase tudo. Sempre foi magro, adulto nunca passou de 30kg e ele é bem grande, maior que os PAs que conheço. Ela deixou que eu fizesse a tentativa e, na época, eu já tinha uma outra pastor.

Os dois começaram a receber diariamente uma porção de carcaça de frango por dia. Eles adoravam. Sirius comida com vontade, e sempre foi delicioso e assustador ouvir a facilidade com que ele quebrava todos os ossinhos dos frangos. Nunca tinha visto o Sirius tão gordinho e com pelagem tão linda como na época que recebeu as carcaças de frango. Chegou a pesar 32kg!!!

Por algum motivo que agora não lembro qual, paramos de dar as carcaças e eles voltaram a comer apenas ração. E Sirius emagreceu novamente, engordava apenas na época de manga, quando ele se esbaldava com a mangueira do jardim.

Conheci o Cachorro Verde em 2009 e li muito a respeito. Sempre dizia que queria tentar, que eu, como estudante de veterinária, queria dar uma qualidade de vida melhor para os meus cães. Queria fazê-los comerem com vontade e bem. No entanto, nunca comecei a AN antes porque quem bancava tudo era minha mãe, e ela não estava convencida.

Em 2011, uma das minhas cadelas, uma Cocker Spaniel Inglês, Lakta, adoeceu gravemente e parou de comer ração. Apresentou quadro de Insuficiência Renal e tive que mudar a ração para uma terapêutica. Ela sempre foi gulosa, comia tudo que via pela frente e nunca teve problema com ração. Mas quando adoeceu não teve jeito. Corri para o Cachorro Verde e pedi opinião da Sylvia, que me ajudou com a maior atenção do mundo. Me indicou uma receita própria de AN terapêutica para o caso da Lakta. Ela foi a primeira cadela daqui de casa que entrou direto na AN. Ela adorava, comia tudo sem dar problema. Consegui normalizar a função renal dela algumas vezes apenas com a AN. Infelizmente, chegou um momento em que a doença que ela tinha se agravou ainda mais e ela não resistiu. Até aí, eu apenas tinha elogios a AN, pois ela me ajudou a dar pelo menos uma maior qualidade de vida para a minha cadelinha no final das contas.

No fim de 2011 foi a vez do Sirius entrar na AN, quando fiz um check-up nele e a função renal dele estava alterada. Não demorou um mês para que ele estivesse com a função renal normalizada e pudesse entrar na AN normal. Então fiz os cálculos e comecei a dar a AN de idosos para ele (agora com quase 8 anos). Com direito a RMB, carne crua e vegetais. Ele ainda torce o focinho para os vegetais, mas nada que uma boa mistura com a carne não resolva. Ele engordou, os pêlos ficaram lindos e brilhantes, as fezes durinhas e com volume super reduzido. AMEI! Meu sonho é que ele chegue aos 32kg novamente!

Ok, o Sirius já estava na AN. Ainda faltavam mais dois. O Cappuccino, um labrador de 10 meses, e a Dakota, uma golden retriever de 7 meses. Agora eu não precisava convencer minha mãe. Eu já era formada, médica veterinária, podia pagar pela alimentação deles. Mas eu precisava convencer a minha irmã, a outra dona deles. Mas não foi difícil, eu falei por muito tempo pra ela sobre os benefícios, ela não se convencia. Até que um dia ela parou para ler o site do Cachorro Verde. E daí, não tem como o Cachorro Verde perder essa batalha não é? Começamos a AN com os dois filhotes no primeiro dia do ano. Misturamos ração nos primeiros dias, fizemos como manda.

Nos primeiros dias já percebemos as enormes diferenças. Pêlos mais brilhantes e soltos. Dermatite diminuiu bastante e é quase inexistente. Tanto Cappuccino quanto Dakota são cães de água, fazem natação 3x por semana e em qualquer oportunidade se molham. Daí a minha preocupação em diminuir a dermatite deles. Os dentes estavam cheios de tártaro, em uma sessão de ossos recreativos a diferença foi gritante. A Dakota, que antes fazia cocôs enormes, hoje faz cocô de cachorro pequeno, durinho, sequinho, sem cheiro. O Cappuccino a mesma coisa. Eles comem com vontade, cheios de alegria e ficam mais tempo satisfeitos. Brincam mais. Estão lindos! E saudáveis! Recomendo pra todo mundo!

Estou tentando abrir a mente dos meus amigos veterinários também. Quero mostrar pra eles que o mito que nos ensinam sobre comida caseira é, bem, um mito.

E esse mês minha irmã e eu adquirimos um freezer! Estocaremos as porções do mês inteiro a partir de agora!

Ah, e uma coisa, Sirius não ficou bravo por comer carne crua. É mais manso do que o labrador e a golden juntos! E está muito feliz! Em breve mandarei fotos deles para a galeria de Cachorros Verdes!!!

E agora, a próxima moradora da casa também entrará na AN. É a gatinha Prim, que será uma gata verde desde os 50 dias de vida!!!

Obrigada, Sylvia, pelo site maravilhoso que você criou e pelos ensinamentos sobre como criar melhor nos amados peludos!!! Só tenho a agradecer!

Luciana Araujo, diz:

27 de janeiro, 2012, às 00:52

Tudo começou quando já não aguentava mais ver a poodle da mamãe sangrar de tanto se coçar mesmo com todo acompanhamento veterinário a mel tinha um dermatite de matar, eu morria de pena dela e mais ela tinha um bafo horrívelllll, parecia que tinha comido carniça, o tártaro já havia tomado vários dentes como ela tem 10 anos já cairam alguns. Então voltando ao começo de tudo comecei a procurar o que fazer com a dematite dela e já não lembro como fui direcionada para o site cachorro verde e lógico logo me veio a idéia tipo há esse pessoal não tem mais o que inventar, mas como sou muito curiosa resolvi ler, e eu já não conseguia parar de ler, nesta mesma noite li tudo que tinha no site, vi os videos fiquei super animada, aqui em casa são 3 meninas , mel a poodle que eu já comentei, a sagua vira lata que eu peguei abandonada na rua com aproximadamente 3 anos e a pucca uma chiuaua com 3 anos. Me preparei para a empreitada comprei tudo em um feirante amigo e congelei contando os dias para começar, quando chegou o dia eu estava mais feliz que pinto no lixo rezando para dar certo e meu marido e minha mãe dizendo que eu era uma louca. Para minha surpresa a sagua fez cara feia, a poodle caiu dentro e a chiuaua se animou um pouquinho, dia após dia vi que estava no caminho certo, até hoje ficou chocada com a mudança nelas estão mais alegres, o pelo esta lindo de dar inveja e a poodle lembram esta sem coceira e os dentes que estavam cheios de tartaro agora estão bem mais limpos. Ficou uma carta né mais gente eu não tenho como agradecer o bem que vocês fazem aos animais que os donos se responsabilizam em fazer esta alimentação corretamente, não existem palavras para agradecer . Nós já rezavamos para a mel morrer logo porque a coisa tava feia demais, e hoje ela tá linda, mando um video delas depois. Ao cachorro verde meu, da sagua, da mel e da pucca nosso eterno agradecimento. Não posso esquecer falei para todos os nossos amigos que tem cães e alguns já começaram a fazer e ver a mágica acontecer. Grata eternamente.

José Martins de Paula, diz:07 de outubro de 2011, às 09:19.

Olá pessoal do CV. Quando a Luna (Bulldog Francês) chegou em casa ela tinha 2 meses, comprei de um canil. Ela comia ração, sempre fui naturalista em casa, aqui não comemos frituras, doces, enlatados e outros alimentos que fazem mal a saúde,

Eu tinha conhecimento sobre a ração e os resultados negativos que a ração causa a vida de um animal, problemas de rins, alergias, falhas e quedas na pelagem, tumores, câncer, principalmente a vítima mais frágil, os morceguinhos orelhudos (bulldoguinhos), que ficam com alergias no corpo todo, foi então que pesquisei na internet sobre alimentação natural para cães, encontrei o site do Cachorro Verde feito com muita dedicação, empenho, amor e o que me chamou atenção tantas informações valiosas sem custo para os leitores.

Quando a Luna completou 3 meses e tomou a terceira vacina o contrato de compra com o canil terminou, então fiquei livre para mudar a alimentação para AN, nesse período revirei praticamente todo site do Cachorro Verde, não somente sobre AN mas muitas informações como exemplo excesso de vacinas, mudei todo calendário na carteirinha da Luna, estava marcado para ela tomar 3 vacinas de uma vez que eram a terceira dose de v10, raiva, tosse canina, quantos antígenos de uma só vez, dinheiro jogado fora e risco de problemas na saúde, é bom sempre ficar esperto nem todos Médicos Veterinários são como a Sylvia, profissional que trabalha com amor aos nossos filhotinhos.

 Sempre brinco com minha esposa depois que eu li todo site do cachorroverde sai formado Médico Veterinário rsrsrs. Como eu disse eu brinco mas sempre devemos ter o acompanhamento para o bem de nossos filhotinhos.

 A adaptação foi tranquila, me preparei muito bem para não faltar comida e nem fazer nada errado, segui todos os passos do site e deu tudo certo, Sylvia me ajudou muito alinhando alguns pontos de dúvidas! Hoje a Luna está com 3 meses e 20 dias totalmente adepta de AN, os resultados em pouco tempo são impressionantes: Sumiram todas alergias. Xixi está branquinho sem cheiro, antes era amarelo forte odor. Coco sequinho quase não tem cheiro, só chegando muito perto para sentir. Vontade de comer aumentou muito, depois que acaba fica minutos lambendo o comedouro.

 Quando estou preparando fica correndo, pulando, toda feliz, anciosa para comer. Pelo está caindo menos, mais brilhante. Ela tem mais vigor, alegria, está robusta. ( como diz a Sylvia, está uma delícia rsrsrs ) O preço é outro fator que impressiona, a ração Royal premium junior 3kg custa 70,00 e dura 20 dias, com AN gastei 29,00 para 40 dias. Fora os suplementos, óleo de canola, levedura que ficou R$ 20,00 mas que duram muito tempo. Só tenho elogios e agradecimentos à Sylvia e a toda equipe dela. Fiquem com Deus. Abs. José Martins.

Rosanna Ré diz:

16 de setembro de 2011, às 16:05

Nossas “crianças” comem AN há 3 anos. No começo foi difícil para mim tomar a decisão, mas depois que comecei a nova alimentação, não tenho mais coragem de tirar esse prazer deles! São dois Goldens e um Lhasa, que têm pêlos lindos, saúde de ferro, alegres e com muita energia!

A Sylvia sempre nos deu suporte para qualquer dúvida ou dificuldade tornando assim essa opção a melhor para todos. Meus cães só ganharam com isso, pois não ingerem mais conservantes, papelão, químicas e etc…. além da economia, reduzimos os gastos a praticamente 1/3 do que gastávamos com ração. Com tudo isso tenho influenciado amigos, conhecidos, parentes e o pessoal está aderindo cada vez mais à AN.

Finalizando só me resta agradecer às meninas do Cachorro Verde, que com muito amor e carinho nos tiraram a venda dos olhos que nos impedia de ver o que fazíamos com nossos melhores amigos!

Que o trabalho de vocês prospere cada vez mais!

Lambeijokas e patabrados dos peludos e bjos dos pelados daqui de Santos – SP

Liz Branco Ribeiro, diz:

08 de setembro de 2011, às 16:23

Meu gato Ching Ling antes da AN:

  1. * Olhos tão inflamados que a veterinária achou que ele não enxergava mais;

    * Pelos caindo;

    * Excessivamente magro

    * Unhas quebrando

    * Não miava

    * Não andava

    * Não conseguia mais comer a ração seca e vomitava a ração úmida

    * Expectativa de vida: para se ter uma ideia, não sabíamos se ele aguentaria a viagem, viemos devagar, evitando os buracos.

    Ching Ling depois da AN:

    * Enxerga normalmente, as lágrimas estão mais claras e a inflamação sob controle

    * Pelo mais macio

    * Visivelmente mais forte

    * Unhas pararam de quebrar

    * Mia o tempo inteiro

    * Não só anda como corre e pula!

    * Come três pratos cheios de AN todos os dias e nunca mais vomitou

    * Expectativa de vida: 2 anos, segundo a veterinária!

    Lembrando que ele não está tomando nenhum medicamento e nem fazendo nenhum tratamento. Então não existe outra explicação para tudo isso a não ser a introdução da AN! Contando assim pode parecer “conversa de vendedor” né? Mas todos que viram o antes e o depois do Ching Ling ficam impressionados!

    Viva o Cachorro Verde!

    Obrigada por salvar meu gato!

Paula Souza, diz:

15 de julho de 2011 às 16:37

Meu depoimento:

Eu, mesmo admirando muito a alimentação natural, fiquei com medo de a colocar em prática. Eu sou menor, moro com meus pais, eles que controlam o dinheiro, minha rotina “normal” inclui três turnos (trabalho, escola e cursinho), saindo de casa 7:30 e voltando 23:00, não temos quintal e meus pais não permitem cães dentro de casa, por isso a Cindy mora com a minha avó. A alimentação dela sempre foi meio maluca, ela “enjoava” de uma marca de ração a cada semana, minha avó misturava comida de gente, ela sempre foi MUITO fresca pra comer. Por tudo isso, eu achei que seria completamente inviável tentar usar AN com ela, até porque eu achava que seria mais caro, e não temos uma situação financeira muito boa. Depois que eu li o post sobre a dieta econômica, e especialmente o post sobre dicas para economizar com AN, aproveitei que nessas férias eu estou livre no período da tarde e criei coragem pra começar. Em menos de uma semana de alimentação natural com a Cindy, as mudanças são absurdamente positivas! Ela estava acima do peso por ser alimentada em excesso pela minha avó, além de ser castrada (que foi uma das melhores coisas que fiz por ela). A “capa” de gordura nas costelas diminuiu sensivelmente, diminuiu a queda de pelo (além da pelagem dela ficar muito mais macia), o cheiro de cachorro quase sumiu, o tártaro que cobria quase por completo os dentes de trás (ela tem 4 anos) já começou a sumir, e ela começou desde ontem a aceitar legumes, coisa que antes era completamente impossível de se esperar dela! Sem contar que agora ela tem muito mais disposição pra brincar! . Só eu sei o quanto tenho a agradecer a você por tudo isso!

Tenho certeza que falo por muita gente quando agradeço pelo excelente trabalho do site. Você tem ajudado muitos cães (e donos!) a serem mais saudáveis.

Muito obrigada e abraços.

Cátia Cristina Pires de Morais, diz:

20 de julho, 2011 às 17:20

Tenho a felicidade e o prazer de ter em casa, um boxer de 11 anos, o Fidel.

Ele está comigo desde os 2 meses de vida. Sempre foi um animal saudável e muito feliz. Mas com a idade avançada, os problemas de saúde começaram a aparecer, hipertensão, alguns tumores, problemas digestivos (típicos da raça).

Nada disso pra mim é problema ou motivo de reclamação. O amor e a gratidão que sinto por ele são tão grandes que não meço nenhum esforço pra cuidar, tratar e vê-lo bem.

No final do ano passado, descobri que ele tem megaesôfago. Quem já teve ou tem um animal com esse problema sabe como essa doença é terrível. Não tenho palavras para descrever o quanto eu sofri junto com ele, vendo o bichinho vomitar inúmeras vezes ao dia e de madrugada, foram muitas noites em claro…

Ele tinha fome e comia, mas logo vomitava tudo. Para quem não sabe, esse problema causa a dilatação e a perda da motilidade do esôfago, simplificando, o esôfago perde o movimento de “abrir e fechar” além de ficar “inchado”, dessa forma o alimento muitas vezes não chega ao estômago, ficando parado no esôfago, o que causa o vômito, regurgitação. Outra complicação desta doença é pneumonia (por aspiração). Por favor, me corrijam os profissionais da área, caso minha explicação esteja errada.

Infelizmente ainda não existe um medicamento ou tratamento que cure isso. Em alguns casos, é feito cirurgia, mas o problema pode voltar e não há garantias de que o animal ficará totalmente curado. No caso do Fidel, isso foi descartado, devido à idade. Algumas mudanças que adotei ajudaram, como, suspender a vasilha da ração, dar menos ração e mais vezes ao dia, não deixá-lo fazer muito esforço (diminuí o trajeto do passeio), mas nada parecia ser realmente eficaz.

No começo, pensei que ele não resistiria, demorei um pouco para entender que o principal problema estava na ração. Passei então a triturar a ração no liquidificador, umedecer com caldo de frango ou carne (ficava uma papa horrorosa…..) mas durante um tempo ele comeu bem, vomitava menos. Pensei que tinha resolvido o problema, estava enganada.

O tempo foi passando e ele só piorava. Todos os dias ao chegar em casa o encontrava triste, amoado, e vômito por todos os cantos… a sensação de impotência é horrível, não tinha o que fazer. Mas nunca me conformei com isso, como não ter o que fazer? Será que as pessoas que passam ou passaram por isso se conformaram ao ver seu animal morrendo aos poucos, de fome ou desnutrição? Isso não aconteceria com o meu Fidel, meu companheiro de tantos anos.

Foi então que comecei a pesquisar, ficava horas lendo artigos, tudo que encontrava a respeito dessa doença. Fiz contato com veterinários de várias partes do Brasil, e todos me respondiam a mesma coisa: não há muito que fazer….. até que um dia, encontrei este site. A princípio, achei estranho o fato de dar comida crua para o cachorro, mas virei o site de cabeça para baixo…. li tudo, várias vezes e passei a pesquisar sobre os alimentos e seus nutrientes, seus benefícios, os que não eram indicados, etc. Nesse meio tempo, fiz uma consulta com a endócrino com quem me trato há muitos anos, e que também tem um boxer com problemas gástricos. Para minha surpresa, ela também havia adotado esta dieta para seu cão, já que ele não conseguia mais comer a ração. Ela me disse maravilhas sobre a alimentação natural e que estava muito satisfeita.

Foi o incentivo que eu precisava para mudar a vida do Fidel. Passei a seguir as orientações do site, só que devido o problema dele, tenho que cozinhar tantos os legumes quanto as carnes, e triturar na hora de servir. Quando o vi comendo, pela primeira vez, até chorei de emoção…. ele amou, devorou toda a comida, e o melhor, não vomitou!

Confesso que é bastante trabalhoso, mas o prazer de vê-lo comer tudo e saber que ele não fica mais com fome e está bem nutrido, não tem preço. Agora, quando chego em casa, o encontro feliz e disposto, aliás, tão disposto que não tem muita paciência de esperar eu preparar sua comida! Fica me rodeando, resmungando e me apressando….

Logo que mudei sua alimentação, consultei a veterinária que o acompanha há bastante tempo e conhece seu histórico. Fiquei muito feliz pois ela me incentivou, mesmo não sendo adepta da alimentação natural, o que respeito muito. Mas depois de tudo que relatei a ela, não tinha como não apoiar…ela também me indicou um suplemento com vitaminas importantes para cães idosos.

Outra surpresa é que ela me pediu ajuda, para quando tiver pacientes com problemas parecidos com o do Fidel, no sentido de orientar os proprietários, em como melhorar a qualidade de vida do animal. Fiquei muito feliz.

É claro que o fato de mudar a alimentação não o curou, o problema ainda existe. Mas a qualidade de vida dele é absurdamente melhor. A alimentação natural o ajuda a conviver bem com essa doença. O fato de ele estar comendo alimentos de fácil digestão é super importante. Na minha opinião é um remédio natural. Não sei quanto tempo de vida ele ainda tem, mas quero que ele viva com saúde e dignidade.

Hoje me pergunto por que não fiz isso antes, mas o importante é daqui pra frente. Uma coisa é certa, acho que nunca mais terei coragem de dar ração para outro animal que eu venha a ter, não depois de ter tido essa experiência.

Deixo aqui algumas dicas, que considero importantes, para animais que tem esse problema, não dêem nada, absolutamente nada, que seja sólido (snaks, biscoitos) pois corre o risco do petisco ficar “parado” no esôfago e causar o vômito. Outra coisa, quando o animal está em crise, com refluxo ou regurgitando, devido o alimento estar “parado” no esôfago (é uma cena muito triste), eles procuram comer algo para ajudar esse alimento se “movimentar”, no caso do Fidel, ele atacava o que tinha por perto, tapete, vassoura, panos, vaso, por isso evitem deixar coisas desse tipo ao alcance do animal, pois todos os objetos estranhos que ele ingerir, além de fazer mal, uma hora vai ter que sair, daí virão outras crises de vômitos…. e também, após essas crises, não ofereçam comida nem água imediatamente, espere o animal se acalmar, só então ofereçam a comida em porções bem pequenas. É importante o empenho de todas as pessoas da casa, no sentido de alimentar o animal da forma adequada, é triste não poder fazer um agrado, dando seu biscoitinho favorito, mas é para o bem da saúde dele.

Esses exemplos que acabei de citar, não são conhecimentos técnicos nem científicos, mas experiência de situações que, infelizmente, vivi por várias vezes.

Agradeço muito a todas as pessoas que dedicaram seu tempo e conhecimento para criar este site. Vocês não têm noção da mudança que a alimentação natural fez na vida do meu cãozinho. Tirando seu problema de saúde, percebi muitas outras mudanças, os pêlos têm mais brilho e não caem tanto, ele sente muito prazer em comer e está muito mais feliz.

À Sylvia, com quem tenho trocado emails e que tem muita paciência em me orientar, meu muito obrigada. Que outras pessoas e animais possam se beneficiar de sua ajuda e conhecimento.

Não tenho outras palavras a dizer senão, muito obrigada.

Cátia Cristina Pires de Morais

Pirassununga-SP

Joao Felipe Souza, diz:

22 de maio, 2011 às 22:57

Meus cães pastores alemães comem “raw meaty bones” vivem na minha chácara. Um macho com 1,5 e uma fêmea com 2 anos.

A minha dieta para eles: compro mensalmente 20 kg de dorso de frango, 5 kg de coração bovino, 5kg pescoço de frango, 5 kg de fígado de frango, 5 kg de pé de porco, 5 kg de orelha de porco, 5 kg de frango inteiro. Ao todo são 50 kg de carne com osso por mês, a um custo aproximado de R$ 145 (se fosse ração premium ficaria uns R$ 180 a 200). Além da carne, adiciono um fio de azeite e uma lâmina de alho à comida deles.

Quando compro toda essa carne, demoro +/- 1,5 hora embalando tudo em porções individuais e estocando em um freezer.

Os cães tem os dentes brancos, não tem mau hálito, tem pouco cheiro – apesar de não tomarem banho. São bem escovados e tem pelo brilhante. O cocô é seco, pouco volumoso e menos fedido do que quando comiam ração.

Vcs podem vê-los em no link: http://youtu.be/hqymiYytv5U

Pat Feldman, diz:

Março 29, 2011 às 23:11

Eu morria de vergonha quando me perguntavam se meus gatos comiam ração e eu tinha que dizer sim… Porque como resposta eu tinha sempre que ouvir a réplica: “Nossa, mas logo você que fala tão mal dos industrializados?!?” Pois é, eu sou tão contra produtos alimentícios, “comida de mentirinha”, e oferecia exatamente isso aos meus gatos.

  1. Eu sou muito bem resolvida com o fato de que pessoas e animais de estimação podem morrer um dia. Fico triste, MUITO triste, mas infelizmente isso acontece e não podemos parar a nossa vida por isso. Antes de começar a oferecer comida de verdade aos meus gatinhos (hoje em dia temos 4 persas aqui em casa), perdi outros quatro: o Pushkin, de um mal súbito que ninguém descobriu o que foi; a Julinha e o Nicolaj, mãe e filho, super novinhos, morreram de insuficiência renal (o Nicolaj se foi no dia do meu aniversário…) e o Igor, já um gatinho idoso, cheio de traumas e problemas, mas que no fim de tudo acabou também vítima dessa maldita insuficiência renal.

    Aprendi com a Sylvia que insuficiência renal é um “mal dos gatos modernos”, já que esses adoráveis felinos simplesmente detestam beber água. São aniais de climas mais secos e naturalmente não procuram por água se sabem que não vão encontrar. Não são programados para procurar por água, mas se abastacem dela através do que comem quando estão em seu habitat natural: carne da presa recém abatida. Ué, o nosso corpo contém uma enorme porcentagem de água em sua composição, e com outros mamíferos não é diferente. O problema dos gatos antepassados está resolvido, mas é justamente aí que começam os problemas dos gatos modernos, aqueles de estimação.

    A cada gatinho doente, além da tristeza de vê-los definhar (sim, eles viravam um fiapo e era sempre muito sofrido), eu tinha que aguentar um montão de gente me questionando sobre a ração. Ficava além de tudo, muito sem graça…

    Eu queria passar a oferecer comida de verdade a eles, eu sabia que era o maior carinho que podia dar a eles, mas isso implicava em deixar a minha zona de conforto. A ração é a coisa mais fácil do mundo! Vem num saco grande, com sorte alguém pode até entregar em casa, e todos os dias é só encher os potinhos sem pensar muito. Dura meses e eles adoram!

    Mas quando o Igor morreu, mesmo sendo esperado pela idade e condições de saúde dele, eu decidi que era hora de vencer a preguiça e melhorar a vida dos meus gatinhos! Poxa, se eu já fazia toda a comida daqui de casa, preparar uma coisinha fresca para os gatos deveria ser fácil. Nem cozinhar precisa!!

    No começo, como em qualquer novidade na vida, deu trabalho. Teve a fase de adapatação – passei de ração seca para ração úmida. Essa parte foi fácil, eles adoraram a ração úmida! Depois deixei a ração seca totalmente de lado e dei só ração úmida por um tempo. Então passei a misturar ração úmida com algumas coisinhas super naturais e super importante na dieta dos bichinhos. Iogurte, carne e ovos (eu uso só a gema crua, já que clara crua não é bom para nós e para os gatinhos aqui de casa não foi bom também), numa pequena proporção, misturados à ração úmida. com o tempo a quantidade de ração foi diminuindo e a quantidade de carne, ovos e iogurte foi aumentando. Resolvi incluir carne de órgãos também, super nutritiva e importante na dieta dos gatinhos.

    A ração deixou de ser colocada por iniciativa dos gatos: um belo dia dei de cara com o potinho vazio de comida e cheio de sobras de ração. Os danados dos bichinhos se deram ao trabalho de comer o que realmente fazia bem e deixaram o que não prestava de lado, como se quisessem avisar que agora sim eles sabiam o que era bom!!!!

    Imaginem a minha felicidade!!!!! Sem contar o meu bolso, já que a alimentação natural dos bichinhos é mais barata e me economiza uma boa conta no veterinário, já que a bicharada não fica mais doente (bem, QUASE não fica!!)

    A transição foi mais fácil do que eu pensava, mas ainda assim deu um certo trabalho. A Agatha, minha persa branquinha, no começo fez a maior greve de fome. A Monalisa comia demais e as vezes tinha indigestão, vomitava e me assustava – mas se curou rapidinho de uma dermatite horrorosa. O Mutsi deu um susto, mas justamente por estar numa alimentação extremamente nutritiva, se recuperou de uma doença de uma maneira que nem o veterinário acreditou. A Naná foi a única fácil de verdade, mas só porque era eu a oferecer a comida. Ela odeia o mundo, mas me ama!

    Agora vou contar minhas invencionices para facilitar a vida. No começo ía quase todos os dias ao açougue comprar carne bem fresca, comprava aos pedaços e picava na hora de ofrecer. Que trabalhão, porque com 2 filhos pequenos – um deles recém nacido, essa obrigação de açougue todos os dias (e isso não é nem de longe minha única ocupação), mais cortar carne, etc estava deixando minha vida meio chata. Comecei a comprar mais carne e congelar em porções, mas quando me esquecia de descongelar, dava o maior trabalhão cortar em pedacinhos e dar a eles na hora certa – meus gatos são metódicos e gostam da comida sempre no mesmo horário!

    Como o negócio dos gatos era mesmo comida empapada, resolvi que a carne moída seria a solução para os meus problemas, principalmente a solução para incluir as carnes de órgãos, que eles pareciam não gostar quando cortada aos pedaços. Hoje vou ao açougue e compro 4 kg de carne por vez. 3kg de músculo ou acém moídos junto com 1kg de fígado. Mando moer tudo junto. Chegando em casa separo em pequenos potinhos – a porção diária deles – e congelo tudo. Rende de 12 a 15 porções.

    O ideal era que eu smepre me lembrasse de descongelar a carne lentamente, na geladeira, de um dia para outro, mas é tanta coisa na minha cabeça, que eu simplesmente me esqueço quase sempre… Mas eu resolvo facilmente deixando o potinho de molho por cerca de uma a 2 horas numa água quente – não fervendo, aquela água quente da torneira com aquecimento mesmo.

    Na hora de oferecer, eu pego um pote fundo, misturo a carne moída com 2 a 4 gemais de ovos caipiras (importante que sejam caipiras e que tenham as cascas muito bem lavadas logo antes de serem quebrados) e 2 a 6 colheres de sopa de iogurte. Isso é o cardápio básico deles, mas eu quase smepre coloco umas coisinhas a mais, como chucrute caseiro lactofermentado (receita no meu site: http://pat.feldman.com.br/?p=2682), pó de casca de ovo, caldo de mocotó (meu site: http://pat.feldman.com.br/?p=2075) e eventuais restinhos da papinha do meu bebê, que os gatinhos simplesmente AMAM!

    Façam a conta: nisso tudo, essa alimentação tão espetacular que meus gatos estão tendo, meu trabalho diário e sujeira são mínimos: tempo da carne descongelar – quando eu não preciso fazer nada além de esperar -, tempo de colocar tudo num pote fundo e misturar – cerca de 5 minutos -, e tempo de colocar nos potinhos deles – menos de um minuto -, e vê-los correr com toda alegria e ficar em torno das minhas pernas esperando pela gostosura do dia.

    Eu achei que seria difícil. Não foi. Eu estou feliz de vê-los mais animados, com o pêlo muito mais bonito, com o comportamento muito melhor e eu muito mais tranquila! Recomendo que vocês tentem, é muito mais fácil do que parece!! Agora quando me perguntam se meus gatos comem ração, eu encho a boca pra dizer “NÃO!!!!!!!!!!!!!!”

Fernando Silva, diz:

Março, 18, 2011 às 4:49

Olá pessoal!

Sobre mim (leia, é bom também :) )

Creio que o que escreverei de início seja o mesmo que muitas pessoas que buscam uma alimentação melhor ou superior para seus cães. Creio também que essas pessoas, assim como se preocupam com a alimentação do seu cão, também devam se preocupar com as suas. Há alguns anos já vinha estudando sobre a alimentação (humana) lendo diversos artigos em Inglês, Espanhol e em Português, claro. Artigos que falavam da importância da qualidade do alimento para a manutenção da vida, as ligações entre as doenças (câncer por exemplo), o hábito de vida e a alimentação. Por fim, depois de muito ler, comecei a aplicar em minha vida, o que pude ver uma mudança considerável. Desde uma ótima resposta do sistema imunológico a qualidade do sono e estabilização do humor.

Sobre os cães, ração e a AN:

Sempre criei cães, pois sempre os considerei criaturas maravilhosas! Eles nos ensinam, com sua limitada capacidade de raciocínio sobre o amor, o verdadeiro, aquele incondicional, sobre companhia sincera, sobre carinho, conforto e tantas outras coisas. Não era de se esperar de ser diferente, pois nós os domesticamos, eles nos acompanharam em nossa longa história e evolução. Eles nos alertaram de perigos, ajudaram em nossa alimentação (caça de todos os tipos e portes), protegeram contra perigos, deram suas vidas por nós, além de claro, todo carinho. Com isso e depois de ter comprovado que nós somos aquilo que nós comemos, resolvi aplicar a Alimentação Natural em meu cão. Duke, um Braco de Weimar ou mais comumente conhecido: Weimaraner. Duke é meu quinto cão que cuido direto (comigo), mas o oitavo dos tantos que ajudei a criar. Com todos, sempre dei ração de boa qualidade sendo que para Duke eu dava Royal Canin Professional. Ele chegou meio abatido, logo no início de sua tenra vida, mas como um grande lutador conseguiu sobreviver. Hoje ele já têm 6 meses. Eu já havia lido e ouvido sobre a AN, mas ainda não tinha tido a “coragem” de trocar 5 criações de sucesso usando ração por “comida”, ainda mais com Duke que já tinha tido esses problemas no início da vida. Bom, no quinto mês resolvi apostar na AN. Pensei: “Se deu certo para mim, vai dar certo para ele”. Já tinha lido também muito sobre as rações, os problemas com elas, a artificialidade e etc. No início você se sente perdido, pois está acostumado a abrir um saco, colocar dentro do pote e tchau. Com a AN, não é que dê mais trabalho, mas você sente-se como: “O que fazer agora?” “O que vêm agora?” “Será que está na medida certa?”. Todos os recursos que precisei para responder essas perguntas encontrei aqui no site. Duke hoje come 300gr de MB (Asa, Coxa e Sobrecoxa), 200gr de Carne (Acem) e 50gr de Fígado Bovino, 100gr de Carboidratos (Arroz), 1 fio de Azeite de Oliva e 100gr de verduras e legumes (eu bato Chuchu, Cenoura, Pimentão Verde e Vermelho no liquidificador). Além disso complemento, 2x na semana com 5ml de Glicopan (suplemento vitamínico). Tudo isso com a ajuda da tabela disponível no site e adaptações minhas as necessidades dele. Cada um vai encontrar seu modo de preparo, como vai armazenar isso e etc. O mais difícil para mim foi encontrar um lugar que vendesse os MB baratos (batedouro em Salvador – encontrei um no fim de linha da Boca do Rio). Estoco tudo no congelador. Todo dia tenho o prazer de desce do congelador, esperar esfriar, cortar, montar o prato dele e vê ele louco de felicidade, mais é louco mesmo. Ele não tinha essa felicidade com nenhuma ração! Ah! Migrei direto da ração para tudo cru. Não passei pelo cozido e etc. OBS: Isso é pessoal ok!? Não quer dizer que você precisa fazer o mesmo. Estou enviando fotos do prato dele e dele comendo, assim você poderá ver com seus próprios olhos como ele é feliz e como monto o prato.

Sobre os veterinários:

Cuidado com eles, vou dizer porque. Muitos veterinários são patrocinados pelas grandes marcas e pela mega gigantesca indústria pet. Não entendeu porque o “mega”? Dê uma volta pela net (google) e você verá que hoje a indústria para animais é uma das mais rentáveis, lucrativas do mundo movimentando bilhões! Esse patrocínio em alguns casos ajuda a manter parte da clínica (ou você acha que é fácil e barato? Essas informações são confirmadas por colegas meus que atuam e e trabalham direta ou indiretamente na área). Logo, nenhum deles quer perder o patrocínio (lógico). Então poucos terão a coragem e sinceridade de lhe dizer: “Largue a ração e dê comida para seu cão”. Visitei 2 aqui que me disseram dos 1.000.000.000 de benefícios de se utilizar ração. Ai vai alguns deles: Praticidade * Praticidade * Praticidade * Praticidade = Praticidade. Tive a sorte de consultar uma excelente veterinária, amigona que me guiou nesse processo e me disse a verdade sobre as rações e etc!

Duke antes e hoje – AN é real?

Duke antes:

Tinha um sono péssimo, agitado, sempre acordando – parecia totalmente elétrico. Fezes com grande volume, odor controlado, urina bem amarela. Sempre estava com fome. Hálito controlado, mas observado. Problemas com pelo: Queda (tinha que varrer 3 vezes por dia) e pequenos buracos na pelagem. Tratamento com Cetoconazol 2% – Sem resposta ou muito lenta.

Duke hoje:

Sono excelente, calmo, profundo e relaxado. Durante o dia, mas calmo (e Alegre) também. Fezes com pequeno volume (o alimento é bem aproveitado, digerido e tolerado), urina pouco amarela. Fome saciada. Sem hálito ou pouco. Sem nenhum problemas com o pêlo, pelo contrário: Pelagem excelente, brilhosa de chamar a atenção por onde passa. Estatura (esqueleto e musculatura) mais forte.

Tempo que os resultados apareceram: 2 semanas.

OBS: Isso não quer dizer que o seu será no mesmo tempo ou assim. Cada cão é único igual a nós.

Abraços!

Vanessa, diz:

Fevereiro, 9, 2011 às 7:53

Olá, turma do Cachorro Verde, minha cadelinha Minie (vira-lata), sempre foi alimentada com comida, não posso dizer que natural, porque ela no começo comia apenas a mesma comida que eu, depois passei a fazer a carne dela separada, mas continuava comendo o meu arroz, nunca me liguei em dar pra ela legumes e essas coisas, sabia que a alimentação dela não era muito balanceada, mas como ela sempre foi muito seletiva para comer deixava ela comer o que mais gostasse, e basicamente era frango ou carne desfiada com arroz. Faz mais ou menos uma semana ela ficou bem doentinha, o veterinário pensou que fosse a doença do carrapato, mas até agora o que foi detectado no exame de sangue, foi os leucocitos baixos, ou seja a imunidade dela está super baixa. Como eu já havia tentado introduzir razão à dieta dela e não tinha dado certo, resolvi pesquisar na Internet uma boa alimentação pra ela, já que os veterinarios em geral não são muito favoraveis a alimentação natural. Encontrar o site do cachorro verde pra mim foi a melhor coisa que podia acontecer. Estou tentando seguir as orientações e minha pet esta devorando suas refeições. Espero que ela continue com esse apetite e acretido que vai se recuperar bem mais rápido da baixa resistencia. Obrigado por vocês existirem.

Isabel C. diz:

Janeiro, 13, 2011 às 10:20

 

Quando me mudei do Rj pro MT me senti muito só, sempre tive cães em casa, todos sempre comeram ração e naquele momento eu me vi morando sozinha num estado longe do meu e sem nenhum cão! Foi por isso que decidi adotar um vira-latas e então por indicação de um colega Kira veio pra casa. Com 25 dias, cabendo na palma da minha mão, com princípio de cinomose, pneumonia, cheia de erupções pelo corpo e sarna. Não sei por que mas quando a vi senti aquele estalo, ”É essa a companheira que você procurava”. Por isso, apesar dos problemas todos que apresentava, a escolhi ( ou ela me escolheu, não sei).

A mãe de Kira parou de produzir leite muito cedo, talvez por desnutrição, e então os 13 foram postos pra doação com menos de um mês. Nosso começo foi muito difícil, de cara ela aceitou bem a papinha para filhotes, contudo com tantos remédios para tomar, Kira vomitava muito. O veterinário que a atendia receitou probióticos e polivitamínicos que tinham um cheiro bem esquisito e a fizeram simplesmente recusar todo e qualquer alimento que os continha, quando lembrei que uma amiga oferecia Alimentação Natural (AN) para seus cães. Procurei o site, fiz mil anotações e comecei a produzir a papa dela em casa, a mudança foi bem lenta, Kira se recuperava quando reparei que estava bem febril. Corre pro veterinário, exames e exames, resultado: doença do carrapato!

Mal saía de um quadro extremamente problemático, começava a ganhar peso e vem mais essa. Quase arranquei os cabelos, tudo isso em menos de 3 meses! A ração ela não aceitava, comia mal, vomitava e tinha diarréia, decidi voltar pra AN, dessa vez seria definitivo. Depois de tantos medicamentos, exames e susto arrisco na certeza de dizer que Kira, minha “pequena” monstrinha de 25kg só está viva e me fazendo surrealmente feliz por conta da AN.

Tatiana Sales, diz:

Dezembro, 31, 2010

Sou mãe de dois cães da raça Golden Retriever: Greg (2 anos e 3 meses) e Foreman (1 ano e 6 meses). Não sou criadora, mas ambos são o que chamamos de “cães de pista” pois participam de exposições de beleza, ambos campeões nas categorias que disputaram. Apesar disso vivem como cães: brincam na chuva quando querem, ficam sujos de barro quando cavam, uma vida feliz pra qualquer cachorro.

Já tinha lido sobre AN antes, bem no comecinho do Cachorro Verde. Foi um longo namoro até decidir, em fevereiro/2010, partir pra ela. Fiz com muita consciência e já tinha estudado bastante não só o preparo mas principalmente as vantagens que ela poderia trazer aos meus cães que tinham problemas muito específicos. O Greg vivia abaixo do peso. Chegou ao ponto de comer 1kg de Eukanuba Puppy Large Breed por dia misturado com 1 latinha de Pedigree divididos em duas porções, isso em janeiro/2010 com então 1 ano e 4 meses. Não engordava de maneira alguma. Sempre foi um cão atlético e com muita energia, mas as costelas marcadas incomodavam.

Foreman chegou em casa aos 2 meses de idade e desde então, até os 7 meses, não sabia o que era ficar sem alergia. Na barriga, cotovelos, patas (toda a extensão na parte interna), pelve, sempre tinha algo vermelho e com prurido. Com o apoio da veterinária deles (Dra. Lizandra Frank Carvalho) partimos para a AN. Antes fizemos testes para descartar hipo/hiper tireoidismo no Greg, hemogramas com perfil renal e hepático em ambos além de raspado de pele no Foreman. Tudo dentro da normalidade, lá fomos nós mudar a alimentação deles. Foreman aceitou imediatamente a AN. Já o Greg levou pelo menos 45 dias pra comer de maneira satisfatória todos os itens crus. Não sabia mastigar, quebrar os ossos, nada disso. Com muita paciência e insistência foi tomando gosto pela coisa e hoje aguarda suas porções com muito entusiasmo!

Dez meses se passaram desde que mudamos a alimentação deles, e tudo o que tenho são elogios. O maior benefício foi sem dúvida o controle dos problemas deles: Greg ganhou e mantém o peso correto para um macho de sua idade mesmo com muita atividade física (como é bom poder suplementar de maneira correta quando necessário! É isso o que a AN proporciona, uma flexibilidade que não vemos em nenhuma outra forma de alimentação), sua pelagem está linda mesmo em época de troca de pelos sem contar os dentes que são branquíssimos. Foreman nunca mais desenvolveu alergias nem coceiras pelo corpo, além de ter crescido um cão muito forte e musculoso.

A adaptação da minha rotina ao preparo da alimentação deles foi muito tranquila. Bastou me organizar e separar as porções uma vez a cada dez dias, congelo e fica ótimo, é muito mais simples do que parece. Os purês eu opto por fazer na hora, os suplementos eles comem com gosto e exceto por alguns poucos vegetais, eles adoram a comida. Comer é uma festa, uma brincadeira que eles aguardam ansiosamente. Só tenho a agradecer vocês por disponibilizar tanto material e por toda a prestatividade em tirar dúvidas de iniciantes como eu. Foi graças ao enorme embasamento científico que optei pela AN, e esse foi um presente e tanto aos meus amores!

Um grande abraço e até mais!

Tatiana Sales

Coordenação – Resgates Felinos

Nosso blog: http://blog.miadoselatidos.com.br

Nosso site: www.miadoselatidos.com.br

Participe, encante-se!

Nisa Arantes, diz:

Novembro, 29, 2010

Olha só…

(Segue bíblia!)..desde que passei a oferecer Alimentação Natural…

. o comportamento: eles estão incrivelmente mais calmo e equilibrados, antes eram agitados e inquietos como se alguma coisa os desequilibrassem.

Exemplos: o comportamento antes das refeições, a ansiedade pela refeição de antes era inquieta como uma necessidade, abstinência, caso de ‘vida ou morte’ do tipo, ‘Me dá comida logo! Tô morrendo de desnutrição.’ e hoje a ansiedade é boa, tranquila do tipo, ‘Hum, que delícia! Mal posso esperar!’ (Rs*), outro exemplo é o Zé que ficava muito bravo quando ouvia fogos, latia, pulava e se agitava loucamente até a exaustão, hoje ele neeem dá confiança para os fogos, desprezo total,

. o sono: sereno e profundo,

. o hálito: fresco e sem cheiro,

. humor: hoje o bom humor impera,

. as fezes: durinhas, reduzidas e sem cheiro,

. a urina: sem cheiro,

. a sede: diminuiu drasticamente, passava o dia trocando a água deles, hoje eles só bebem água quando necessitam,

. a pelagem: sedosa, brilhante, sem ‘cheiro de cachorro’, as cores estão lindas e vibrantes e praticamente não caem pelos (no banho saem mais pelos, mas muito menos que antes), se mantém cheirosa e mais tempo limpa. O ‘antes’ era o oposto disso vezes 2, opaca, fedida, ensebada com o passar dos dias e cheia de pelos mortos,

. a pele: da barriga por exemplo está limpa, linda e sem machas,

. dentes: limpos, sairam praticamente todos os tártaros (só faltam os caninos superiores, mas muita sujeira já foi removida de lá), e olha, era muuuito tártaro, na foto do meu álbum que o Hades está ‘feliz pra cahorro’ aqueles dentes minha amiga estavam praticamente marrons!

. nariz: gelado e úmido,

. boca: mais rosada, corada e gelada,

. olhos: brilhantes e expressivos,

. cropofagia: o Zezão é o ex ‘titiqueiro’ da família (Rs*) as vezes ele ainda faz, mas quando o intestino dele desregula, mas normalmente não mais,

. epilepsia: ela deu um tempo. O Zé é epiléptico e tem crises 1x por mês, recentemente ele passou uma semana internado por conta de uma hepatite aguda (mais gastrite e quase uma pancreatite) causada por Brometo de Potássio receitado justamente para dar um alívio nesssas crises, resumindo ele ficou entre a vida e a morte. Faziam 4 dias que tinha iniciado a AN, e 2 que ele tinha iniciado a medicação com o Brometo, dai ele começou a passar muito mal e foi internado, na internação ele comia (quando dava tudo certo) franguinho cozido (ele chegou, durante 4 dias, a receber o alimento diretamente na veia), quando teve alta a recomendação era continuar com o franguinho, mais legumes e arroz, cacei no site a dieta cozida e fiquei feliz não ter mudado (apesar de cozida), a recuperação dele deu um salto gigante e ele foi liberado para voltar a alimentação normal (crua), e durantes todos esse período (internação, alta e até agora, aproximadamente 2 mês ) ele ainda (e espero que continue assim) não teve crise, não deu para avaliar se é por conta da alimentação, ou por causa da medicação no período de internação, só sei que a alimentação tem contribuido positivamente em vários aspectos em especial o comportamental para que as crises cada vez menos frequentes,

. dermatites: o Antares tem uma dermatite (das ‘brabas’) crônica, que não dá pra descuidar que ela vem com tudo, quando iniciei a AN ele já etava ruinzinho, tinha trocado de ração e o resultado foi uma catástrofe, foi dai que (com esse e muitos outros fatores) disse chega, foi a gotad’água, a AN foi iniciada ele estava indo bem, logo percebemos que a carne vermelha e ossos recreacionais do boi piorava o quadro alérgico dele e a retiramos na dieta dele, só que no meio do caminho ele teve uma queda de imunidade e as bactérias vieram com toda força, hoje, ele está medicado, mas ao mesmo tempo que ele está com a dermatite os pelos e pele dele estão excelentes, lindos, parece impossível, mas é verdade, percebo que o fato dele comer a melhor comida está fazendo toda diferença no seu tratamento e recuperação, bem diferente das outras vezes. O Hades tinha demartite alérgica, não podia ficar sem tomar Dermocanis e quando tinha alguma baixa imunologica tinha que entrar com medicação, hoje essa dermatite é coisa do passado, ela sumiu!,

. ganharam mais vitalidade (exemplo, meu Hades está com 10 anos, ele está com mais pique do que quando tinha 3), disposição, resistência (física e imunológica), mais fortes (marido nota bem a força de cada um nos passeios e demoram mais para cansar), alegria e anos de vida,

. perderam peso e aumentaram a massa magra,

. agora vejo diferença entre estômago cheio e estômago vazio, antes a barriga e cintura deles era ‘imutável’, intácta, estufada o tempo todo (ajudou até na minha memória, de repente lembrei, ‘eram assim os bichos eram quando eu era criança’ Rs*),

. olfato: hoje vejo eles exercitando o olfato, interessados, investigando, antes era raro,

. paladar: o Hades sempre enjoou dos ‘sabores’ e tipos de rações, é impressionante como hoje ele me ama muito mais que antes… Kkkkkkk! , comer para ele agora é um grande prazer,

. digestão: a absorsão dos alimentos está sendo muito melhor,

. consultas veterinária: as consultas veterinárias estão diminuindo… diminuindo… (Rs*) Ah! E as vezes que precisaram ir ao médico para exames, ou alguma emergência a saúde e aparência deles foi super elogiada! (Deixando pais felizes e orgulhosos!) Rs*

Bom, essas são as mudanças que eu e o marido notamos nesses dois meses.

Beijo grande.

Roberto Bezerra da Silva – Canil Matsuyama, diz:

Dezembro, 4, 2010 às 7:31

Olá pessoal do CV, já conheço o conceito de Alimentação Natural, BARF e Raw Meaty Bones há alguns anos, mas sempre fui covarde para tentar utilizar alimentação Natural em meus cães, sou criador da Raça Akita há alguns anos e devido a uma de minhas cadelas que teve um problema sério de inapetência decidi arriscar, digo sem nenhuma ressalva que foi a decisão que mudou a minha criação de cães, já tive a primeira ninhada 100% na alimentação Natural e posso dizer sem sombra de dúvidas que os filhotes saíram Super Cães, estamos todos maravilhados com as vantagens da Alimentação Natural em nossos peludos, eles agradecem com o olhar feliz. Virei senão o maior, pelo menos o mais ferrenho divulgador do site para migos, familiares e clientes de meu canil.

Cássia Bermudes, diz:

Novembro, 28, 2010, às 10:24

Por aqui está dando super certo com a Alimentação Natural, de início minhas cadelas emagreceram e eu gostei, pois a ração estava deixando elas gordinhas, e como elas ainda têm 2 anos de idade, teriam grandes chances de se tornarem obesas. Percebo que estão bem sim e agora no peso ideal. Os pelos continuam brilhantes, o cheiro de cachorro que ficava nas roupas de cama, diminuiu muito, os banhos agora não dou mais por causa do cheiro, e sim, apenas por higiene, e posso espaçar mais os banhos.

A pele está ótima, acabou a alergia que uma delas tinha na região do abdomen, a pele era avermelhada nessa região. Dentes e gengivas sadias.

Sylvia, só tenho a lhe agradecer, pois eu queria muito começar a AN, mas não me sentia segura lendo apenas na Internet dicas que eu não sentia firmeza, sem respaldos em algo estudado, sentia que eram pessoas que como eu leigas, davam “dicas”, e eu precisava de algo concreto, de alguém que estuda realmente o assunto, e não apenas pessoas com boas intenções que queriam ajudar uma a outra, e encontrei em você, essa pessoa que eu procurava, que estuda, e recomenda algo que vc foi fundo nos estudos, e recomenda e repassa em seu site com clareza e certeza dentro de suas pesquisas.

Parabéns pelo seu trabalho, sua dedicação e esforço.

Maristela Ornellas, diz:

Dezembro, 2, 2010 às 19:52

Sylvia,

Hoje escrevo para agradecer por todas as dicas que vocë deu e pelas informações do Cachorro Verde. Há quatro meses, quando iniciei a dieta natural por indicação médica, meu cachorro estava com infecção urinária, cálculo renal e lesão de fígado. Graças ao tratamento, prescrito pela Dra. Sheila e a dieta do Cachorro Verde, meu cachorro está completamente curado. Hoje fui comunicada dos resultados dos exames e ele nao tem mais problema algum. A saúde do meu cachorro foi o melhor presente de Natal que eu poderia receber.

Muitissimo obrigada! Você tem uma adimiradora e divulgadora fiel.

Andréia Camargo, diz:

Novembro, 26, 2010 às 21:31

Minha experiência com a Alimentação Natural para uma ninhada de West Highland White Terriers:

1. A erupção dos dentes ocorre mais lentamente, permite o filhote mamar mais tempo, pois não machuca a mãe;

2. Nesta fase, há um espaço de tempo entre a erupção dos caninos e dos incisivos, que ainda favorece a amamentação, pois a sucção ocorre ocorre “por entre” os caninos;

3. Com erupção mais lenta, o filhote fica mais calmo, pois mama mais na mãe e também não quer “morder” o mundo ao seu redor, pois a irritação da gengiva é lenta e suave, sem “comichões” exagerados;

4. O cocô fica firme e sem cheiro. Isso deixa o filhote limpinho, pois a ausência das diarréias “sem motivo” deixam sempre o bumbum limpinho;

5. Não precisa dar banhos de gato (eu tinha que ficar dando banhos de toalha úmida pq eles ficavam fedidos por causa do xixi e, as vezes, do cocô amolecido que grudava no bumbum). Hoje com quase 40 dias ainda não tomaram nenhum banho de gato e não estão com cheirinho nenhum; :)

6. Com os dejetos “sem cheiro”, eu economizo no tapete do coletor de urina porque uso por mais tempo e também há uma melhora na convivência, pois o ambiente deles fica ótimo, nem parece que tenho filhote em casa!

7. O crescimento é lento, mas constante. O filhote fica musculosinho e com aspecto “socadinho” – bom pro padrão do Westie.

8. É a ninhada mais calma que já tive… filhotes que dormem, brincam com seus próprios brinquedos, pois isso é suficiente para sanar a coceira gengival – antes eles logo procuravam algo duro, como móveis, sandálias etc.

9. As visitas humanas só elogiam: “mas como eles são calmos né?”, “mas como são fortinhos né?” “e o pêlo fofinho né?”…hehehe..verdade! Só fazem barulho durante as “lutas e corridinhas de pega-esconde caninas” e com uma energia mais natural, sem picos exagerados de energia…e depois de uma sessão de brincadeira, logo dormem.

É claro que toda ninhada tem aquele “chefe da travessura” que argumenta pra “sair” do cercadinho, faz birra de madrugada…pra esse não tem Alimentação Natural que dê jeito!

Leonardo, diz:

Dezembro, 02, 2010 às 16:27

Eu iniciei meu cão na AN faz uma semana e posso afirmar que os benefícios foram ótimos para o Stitch e para mim! As fezes ficaram mais sequinhas e quase sem cheiro, o pelo ganho mais brilho e a quedas diminuiram e o seu ânimo aumentou. Sem contar que ele acha bem mais gostosa que a ração. Fiz comida para um mês. Não posso dizer que foi fácil, mas com certeza compensa o trabalho. O pessoal aqui em casa não concordou no começo, mas ao ver os benefícios e o custo, todos acabaram aceitando a AN.

Obrigado ao site Cachorro Verde!

Rosana, diz:

Novembro 10, 2010 às 19:24

Estou escrevendo para dar o meu depoimento sobre o tratamento da minha cadela. É uma fox terrier de 7 anos, e desde 1 e meio, apresentava dermatite atópica. Recorri a todos os tratamentos clínicos, dermatologistas, homeopatia, e após passar à alimentação natural, acunputura e medicina chinesa, a Poli há quase 2 anos não tem uma crise, está sem antihistamínicos, sem corticóides e sem antibióticos. Espero que vocês possam transmitir essa tentativa de tratamento a outros animais para evitar a aflição dos animais e seus donos. Desde já agradeço, Rosana.

Anamaria do Valia diz:

Agosto 5, 2010 às 4:59

Sylvia,

tenho seis cães e passei a dar Alimentação Natural para eles há cerca de 9 meses. Confesso que não foi fácil acertar logo no início porque são dois filas (macho e femea) dois boxers (macho e femea) um basset e uma fox paulistinha, todos adotados. Tamanhos e pesos diferentes, níveis de atividade diferentes, idades diferentes…mas finalmente acho que acertei a receita! A única coisa igual, desde o início, foi a alegria deles na hora de comer! Valeu todo o esforço! O macho fila, que torcia o nariz para a ração e só comia por falta de alternativa, hoje me espera na porta da cozinha ansioso pela comida. Virou um glutão e muito mais alegre! Mesmo assim, está longe de ser gordo e depois do exame de sangue o veterinário me disse: se quiser que ele engorde é só para embelezar porque está muito bem nutrido! Fiz exame de sangue nos outros e a resposta foi a mesma: magros mas bem nutridos e saudáveis.Faço a dieta cozida porém deixo as carnes e o fígado crus e dou ossos recreacionais sempre. De inicio fazia comida para 10 dias, agora troquei meu freezer por um maior e faço para 20 dias. São 240 marmitex de cachorro, como eu chamo, mas faço com prazer. Aqui, os horarios das refeições são os melhores momentos do dia!!!!! Obrigada por me apresentarem à Alimentação Natural; e ração, nunca mais!!! Beijos, Anamaria.

Flavia Esperante diz:

Julho 29, 2010 às 4:49

Tenho cinco cachorros e troquei a ração por alimentação natural faz cinco meses. Eles se adaptaram com a nova comida sem nenhum problema, até o meu cachorro que era mais chatinho para comer passou a comer super bem, eles amam a comida! Faço a dieta cozida para cães, porém a carne eu dou crua. Uma ou duas vezes por semana ofereço ossos recreacionais, eles adoram ! Confesso que a alimentação natural é mais trabalhosa, mas compensa por que meus cães estão mais saudáveis. Uma das minhas cachorras estava um pouco acima do peso e agora ficou ótima. Levei todos ao veterinário para fazer um check up, todos estão bem. O único problema que eu tive foi com um dos meus cães, um boxer, que emagreceu demais, já aumentei a porcentagem de comida dele, e tenho seguido algumas dicas do Cachorro Verde (como dar mais azeite e oferecer um lanche no meio do dia). Ele já recuperou um pouco do peso. Acho muito importante divulgar a alimentação natural, pois antes de saber os prejuizos que a ração pode causar eu gastava uma fortuna em ração porque acreditava que a ração super premium era o melhor alimento que eu poderia oferecer aos meus cães. Acredito que muita gente ainda pensa assim por não conhecer a alimentação natural. Enfim, os pelos dos meus cães estão mais brilhantes, os dentes super limpos e todos cheios de energia! Agradeço ao Cachorro Verde. Flávia.

Cintia diz:

Julho 20, 2010 às 8:02

Tenho um Golden Retriever de 6 anos e um SRD de quase 2 anos.

Só alimentava meu Golden com rações Super Premium caríssimas, precisava ficar incentivando com petiscos para ele comer. Aos 4 anos teve um osteossarcoma na pata traseira o q rendeu uma amputação da mesma por completo. Nesta época fiquei desesperada aqui no orkut e tive um anjo de veterinária q me apresentou o site. Depois das quimioterapias, mudei completamente a alimentação pra AN, Não davam 1 ano de vida pro meu bb. Já fazem 2 anos q ele fez a amputação e está maravilhoso, super saudável, feliz e comilão. Hj em dia ele choraaaaaa pela AN, Fica com uma carinha de pidão….

Antes da AN ele vivia com otites, alergias, assaduras, todo mês eram consultas a veterinários e fortunas de medicamentos, ele sempre tinha algo para tratar, era impressionante, por mais q eu cuidasse…. sempre aparecia uma novidade!

Além da mudança radical da Alimentação, adotei um amiguinho pra ele brincar SRD, é surdo (aqui já virou o abrigo de inclusões animais rsrsr) desde q adotei só come AN, ele amaaaaa de paixão, e é outro chorão pidão, nunca teve nada. Tem quase 2 anos e nunca ficou doente. Só vai ao Vet pra tomar as vacinas.

Meus dois filhos de 4 patas (quer dizer, um de três patas rs) são muito felizes e saudáveis hj em dia graças ao site cachorro verde. Sou eternamente grata pelas mudanças maravilhosas q as informações daqui trouxeram em nossas vidas….

Obrigada é pouco pelo q tenho de sentimento de gratidão por tudo o q aprendi e coloquei em prática daqui!

Deus abençõe todos daqui, espero muito sucesso e pra quem quer q seja, estou sempre divulgando o site!

Sorte e sucesso!!!

Dani Wahlers diz:

Junho 17, 2010 às 9:54

Primeiramente gostaria de parabeniza-los pelo site maravilhoso que alem de informativo abre espaço para discussão e agradecer pela paciência e gentileza com que responderam a todas minhas duvidas, que digamos de passagem, não foram poucas.

Gostaria também de contar um pouco da minha experiência com a AN:

Desde os 5 meses, Fritz, meu schnauzer miniatura que agora tem 1 ano e 4 meses sofria de gastrite, em duas ocasiões até ficou internado. Eu dava uma ração premium mas muitas vezes ele se recusava a comer, a veterinaria chegou a dizer pra deixar ele com fome que uma hora ele acabaria comendo.

Até que no natal passado, depois dele ficar 3 dias internado com gastroenterite, passar um mês comendo uma comida especial e caríssima para problemas gástricos e depois do enesimo vidro de ranitidina uma conhecida me falou sobre a dieta BARF.

Achei esquisito mas comecei a pesquisar e acabei caindo no Cachorro Verde, troquei varios e-mails com a querida Sylvia, conversei com veterinários que continuavam dizendo que ração era a melhor alimentação mesmo assim decidi começar uma dieta caseira. Ainda na duvida sobre a dieta crua optei pela cozida.

Depois de um mês e meio, já comendo todos tipos de carne, vegetais e suplementos comecei a deixar as carnes cada vez mais cruas e introduzi o pescoço de frango. Depois de três meses na dieta cozida finalmente comecei a dieta crua e só posso dizer uma coisa: O Fritz NUNCA MAIS vai ver ração na frente. Em um mês de AN já vejo grandes diferenças nas fezes, pelo e dentes e ele não teve mais nem uma crisezinha de gastrite sequer sem contar que no parque onde levo ele pra passear os donos de outros cachorros me perguntam que ração estou dando para o Fritz para o pelo dele ter tanto brilho e estar tão saudavel.

Mariana Siebert diz:

Junho 17, 2010 às 9:00

Após ler um post no Mãe de Cachorro sobre sarna demodécica e sua repercursão, resolvi falar um pouco do meu Jet e seu sofrimento com a doença e a mudança com a alimentação natural e tratamento homeopático!!

O Jet é um cãozinho da raça Jack Russell Terrier, de 9 anos, com pedigree, nascido em Seatlle, USA, e com sarna demodécica. Morei na Califórnia por quase 3 anos e o adotei lá, após ele ser meu “cliente” em meu trabalho de dog walker. A dona, que o comprou em Seattle, voou ele até a Califórnia e teve ele por 4 anos, não o queria mais, pois era agressivo, com problemas de saúde e latia muito, além do marido o odiar. Ou seja, nos termos que eu conhecia os abrigos de cães da minha cidade e da maioria dos EUA, ele ia ser eutanasiado, principalmente pela agressividade, que nada mais era do que medo. Tinha diagnóstico de alergia e depressão, tomava prozac e anti-estamínicos todos os dias, os quais fui retirando aos poucos. A agressividade praticamente acabou em cerca de 3, 4 meses e ele se tornou cada vez mais social. Quando o levei pra casa, desconfiava até da própria sombra… Quanto aos anti-estamínicos, não estavam fazendo efeito algum, somente prejudicando ele com tanta química para melhora nenhuma!

Bom, viemos para o Brasil e aqui piorou ainda mais sua pele. Lá vamos nós pro vet de novo!! Alergia disso, daquilo, seborréia, estômago sensível, muda ração, muda ambiente e na pele, não mudava é nada! Após uns 5 vets, uma protetora aqui de Floripa leu meu apelo pela internet e me falou curto e grosso: “Pelo que você descreve, é demodécica! Para confirmar, se eu cheirar, eu já sei! Mas leva no vet e faz uma raspagem!” Brilhante! Dito e feito! Aí foram doses de Ivomec na veia, Mectimax comprimidos, Omega3, Shampoos carééérrimos, rações mais caras ainda e deu uma melhoradinha. Mas ele virou outro cão… Não tinha mais a alegria de sempre, tinha diarréias feias, vômitos, não comia mais… Me perguntavam o que aconteceu com ele. Ele estava apagado, sem brilho! Mas os pêlinhos estavam nascendo de volta!! Mas eu quero um cão com pêlos, lindo por fora e estragado por dentro??

Tirei toda medicação, em torno de 2, 3 dias, voltou ao normal e os pêlos pararam de crescer… Prometi que ia ser a última tentativa! Me alertaram sobre o estrago que eu poderia estar fazendo com o Ivomec no fígado do meu cão e me assustei muito! Estava conformada que ia ter um cão sem pêlos, com machucados pelo corpo e ia remediando com ungüento, iodo, rifocina, etc. Até que a pessoinha querida que escreve esse blog me indicou a Dra. Carmem Cocca, dizendo que era homeopata e que era ótima! Até então esta mesma pessoinha já tinha me indicado também o site do Cachorro Verde para meus cães em geral (hoje são 5 cães e 1 gato, todos resgatados das ruas de Florianópolis), mas ainda não tinha feita nada a respeito.

Bom, resumindo, a consulta foi tudo de bom! Tiramos anos de tratamento a limpo, ganhei explicações de tudo que nunca me disseram na vida! Só o entupiam de remédios e vacinas e, por mais que eu quisesse entender tudo, nunca ganhava uma explicação convincente sobre o que ele tinha e o que esses remédios fariam. Ela me indicou seguir a alimentação natural, prescreveu as preciosas gotinhas homeopáticas (confesso que até então não acreditava muito nelas…), alguns suplementos naturais, shampoos manipulados e pensei: bom, estou gastanto algum dinheiro, muito menos do que gastava na maioria das outras vezes e é tudo natural, não vou estragá-lo por dentro, ao menos! E não é que está funcionando tudo!? E mais, a galerinha aqui de casa também entrou na dieta! E pergunta pra eles: quer ração ou um monte de pele e tripa de boi??? Ou ossos crus de galinha ?? Ou quem sabe um ossão cheio de carnes grudadas que o moço do açougue ia jogar fora???

É, o tratamento do Jet é longo, está apenas no começo, mas os pêlinhos estão voltando gradualmente, sem mudança no comportamento dele e sem mais aquela coceirada toda o dia todo. Nunca mais vomitou ou teve diarréia, como era de costume pelo menos uma vez por semana. Fora que na hora da comida aqui em casa, amigos, são duas festas por dia!! Mais coisa boa? Eles latem menos, pois roem mais! Têm menos tártaro! Até o velhinho, o Seu Jorge, que só tem os dentes de trás, rói o seu ossinho ou cartilagem. Mais? Sai mais barato! Coloco ainda um pouco de ração, mas a carne crua, eu ganho no açougue ou compro em supermercados por centavos o kg. Descobri que a maioria dos açougues aqui dão ossos, peles, cartilagens. Fora que compro 1kg de frango por 3 reais na promoção ou moela (essa o Gato ama!) e se for pensar, é mais barato e saudável que petiscos industrializados ou comida de latinha pela quantidade e, obviamente, pelos benefícios!

Beijos da mãe de cachorro que tem um amor infinito por essa pequena criaturinha que o destino fez meu filho,

Mariana Siebert

http://www.mssiebert.com.br

Geovanna diz:

Junho 16, 2010 às 7:44

 

Nicolau – bulldog francês – 1 ano e 3 meses

Começamos com a alimentação natural desde abril e as mudanças foram consideráveis. A primeira, e mais imediata, foi ter conseguido impor horários para a alimentação – coisa que nunca tinha conseguido com a ração. Hoje ele sabe exatamente os horários que é alimentado e, nunca, desdenha do que é colocado no potinho.

Percebi também que ele bebe muito menos água, que o cocô fico beeem menos fedido e muito sequinho. A queda do pelo diminuiu bastante e ele está cada vez mais disposto. Não tivemos nenhum tipo de problema durante a adaptação (diarréia e afins), e ele até ganhou um pouco de peso (que era necessário, já que nos últimos meses de ração vinha perdendo um pouco de peso/musculatura pq estava recusando todos os tipos de ração).

Ele nunca teve muito bafo, nem tartaro. Mas hoje percebo que seus dentes estão bem limpinhos. Além disso, e o mais importante para mim, é perceber que ele está feliz e que curte muito todos os momentos da refeição. =)/

Antonio Junior diz:

Junho 16, 2010 às 5:05

PUG – Macho, 18 meses.

É incrível a diferença depois de apenas uma semana de alimentação natural.

Fezes durinhas e em muito menor quantidade, gases – simplesmente desapareceram, mais vivacidade, prazer ao se alimentar, odor do pelo desapareceu (nem precisou de banho), a melhora na textura e maciez do pelo já é perceptível, os dentes mais brancos, até tá mais gordinho o garoto.

Parabéns e muitíssimo obrigado!

Ana Corina diz:

Junho 15, 2010 às 11:08

[O texto abaixo na verdade é um post do blog Mãe de Cachorro Também é Mãe, por isso tem uma linguagem 'diferente', ok?]

Shoyo e sua alimentação natural e 100% saudável

Continuo cada vez mais encantada e apaixonada pela Alimentação Natural que pratico com o Shoyo. Estudo o assunto desde 2003, tenho livros importados sobre o tema, mas pra você que precisa de uma fonte eficiente, segura e descomplicada para entender o que é esse tipo de alimentação (criada pela Mãe Natureza, conhecem?), o site Cachorro Verde é simplesmente o máximo! Alimentação Natural não é “comida de gente”, não é dar restos do almoço, é alimentar cães e gatos da maneira adequada com sua fisiologia carnívora, que nada mudou ao longo de sua longa convivência com os humanos.

E vejam que fofo o Shoynho querido devorando sua coxinha da asa no primeiro dia de 2010! Para ver outros peludos se alimentando da maneira carnívora e natural para a qual Mamãe Natureza os criou (e capacitou completamente – sem esse papo furado de que cães e gatos foram domesticados e viraram onívoros, por favor! Respeitem seus neurônios de humanos! Dar ração comercial é uma opção, mas achar que ela é melhor e mais saudável do que alimentação natural daí já é alienação e desconhecimento puros.), cliquem aqui.

Tomei vergonha na cara e voltei para a Alimentação Natural no dia 29 de setembro de 2009, depois de tempo demais enrolando e me enganando. Desse dia até o falecimento do Sushi, foram praticamente 3 meses e tanto nele quanto no Shoyo as mudanças positivas foram rápidas e incrivelmente perceptíveis, entre elas:

Fim dos cristais na urina

Fim da lágrima ácida e escura

Diminuição absurda e considerável do “cheiro de cachorro” (que vai sumindo cada vez mais conforme o tempo passa)

Diminuição absurda e considerável do tártaro e do “bafo”

Diminuição da queda de pelo (que neles, em função da raça, nunca foi grande)

Aumento da disposição

Diminuição do volume de fezes, que agora também são muito mais firmes e praticamente sem cheiro

Urina clara e sem cheiro

Lembrando que: no site do Cachorro Verde também há dietas para:

Cães Adultos

Gatos Adultos

Cardápio Econômico para Cães

Cardápio Econômico para Gatos

Cães Filhotes

Gatos Filhotes

Dicas para Engordar

Dicas sobre Displasia Coxofemoral

Dietas Cozidas

Dieta Natural para Cães Idosos

Leia, estude, esforce-se e faça o melhor pelo seu amigo peludo! É mais barato do que alimentá-lo com dietas artificiais e ainda fica mais barato a longo prazo, porque eles simplesmente não ficam mais doentes, precisam de muiiiito menos banho, não precisam mais fazer limpeza de tártaro etc. Clicando aqui você pode ler a tradução para português de um dos livros que mais gosto sobre Alimentação Natural, escrito por um veterinário australiano.

Mudem, sejam felizes e vivam muito mais tempo com seus amores!

Com muiiiito carinho, essa é a minha dica da década pra vocês! Beijo e queijo, de coração!

Ana Paula diz:

Junho 9, 2010 às 1:41

Bom dia Sylvia,

No ano passado lhe perguntei sobre AN para meu cãozinho que estava tendo convulsões,não sei se vc se lembra,mas enfim resolvi continuar com a alimentação pois acredito na proposta da AN,e hoje venho lhe dizer que ele está muuuuuuuuuito bem,super saudável,e que nunca mais teve uma convulsão sequer,isso é maravilhoso,hoje todos os meus 5 cães só se alimenam com AN,ele ainda apresentava uma inflamação na patela quase que todo mês,que só “melhorava” com antiinflamatório e também nunca mais teve nada referente a essa dor,ou seja hoje ele é um cãozinho mais saudável,brincalhão,mais vivo mesmo.Quero lhe agradecer imensamente por divulgar essa alimentação que faz tão bem aos nossos bb’s.

Em breve mandarei fotos da turminha,bjs e obrigada mesmo.

Sirena diz:

Maio, 22, 2010 às 2:59

Primeiro, gostaria de parabenizá-los pelo belíssimo, responsável e informativo trabalho feito aqui no site. Nossos cachorros são adeptos da dieta natural desde que os adotamos. Infelizmente não sabemos muito sobre seu passado, pois foram abandonados, e já estão com dois anos de idade.

A alimentação natural é adotada na nossa casa por causa de umas alergias e intolerâncias que eu desenvolvi. Meu marido, como biólogo e ex-vendedor de homeopatia e AN para animais, me salvou de 5 anos de coceira eliminando ítens da minha alimentação e suplementado-a com vinagre de maçã, óleo de coco, e outras coisinhas que fazem milagres na minha vida. Agradeço muito por ter sofrido uma alergia e não uma diabetes, e por ter sido vítima da comida industrializada numa idade precoce, quando ainda poderia evitar danos maiores. No final, acho que todos saímos no lucro por mudar de dieta e estilo de vidas dessa maneira até forçada, mas hoje muito divertida.

Sei que outras pessoas e animais sofrem também de males por causa de uma alimentação inadequada. Então fica aqui minha contribuição e apoio. As perseguições e críticas são um fato na vida de todos que enxergam além/fora da televisão, mas não há nada mais gratificante do que descobrir uma vida cheia de saúde e alegrias compartilhadas com os que amamos, a partir da boa informação e de princípios honestos. Desejo a vocês sucesso e coragem para continuarem esse bonito trabalho.

“I don’t know the key to success, but the key to failure is trying to please everybody.” ~Bill Cosby

Liz Ribeiro diz:

Maio 12, 2010 às 9:16

Eu ainda não encontro palavra melhor para definir você: genial. No melhor sentido da palavra. Não aquele gênio afundado em si mesmo, que chega a ser frio. O gênio que a humanidade precisa: o gênio que cria e depois ajuda os outros a entenderem o que ele criou. Compartilha conhecimento sem restrições e sem esperar nada em troca. É firme e luta pelo seu projeto, mas não perde a delicadeza. Você tem a incrível capacidade de entrar com a teoria na casa das pessoas e torná-la prática, só com seus textos.

Dizem que os animais tem sorte de terem donos conscientes, que os alimentam bem. Nós donos é que temos sorte de conhecer o seu trabalho e podermos alimentar nossos queridos com o que há de melhor!

Nem mil sacos de ração derrubam um cachorro verde! Obrigada por tudo!

Liz e Budder

Rita Maria diz:

Abril 28, 2010 às 8:01

Parabéns pela pesquisa. Séria, responsável, inovadora.

Parabéns pelo site, no mínimo, solidário.

Obrigada pela disponibilidade nas explicações tão incansáveis, pelo site irretocável, agradável, bem construído.

De profissionais desse quilate, como você, o Brasil precisa desesperadamente.

Tenho uma Ninon, scotish terrier. Que era perdida de alergias, carocinhos, coceiras, feridinhas, um horror. quando começava a se coçar, haja paciência e haja pena, coitadinha.

homeopatia, alopatia, shampoos, comprimidos. Tudo em vão. Ninon estava a ponto de falar “não aguento mais”!!!!!!

Então em busca de socorro, ví o cão verde na internet. A veterinária também não o conhecia.

E o medinho de arriscar? e se ela se afogar com osso? Que nada! Ninon está até mais amorosa comigo… cessaram coceiras, feridas, cocô fedido, xixi idem, feridinhas, cheiro ruim no pelo? já era! E ela a-do-ra aqueles horrorosos pescoços despelados. Adora verduras, legumes, carnes ham ham come como doida!

Então quero agradecer primeiro por Ninon, que parou de sofrer e está mais feliz e mais calma. E por mim, que trabalho um pouquinho mais, mas quanta resposta positiva!

Aché e muita luz pra você, que se doa tão magnificamente para estes bichos adoráveis, através de teu trabalho no cão verde.

luz verde procê!

Maria Celia diz:

Só tenho a agradecer o tipo de informação que voces passam neste site. Passei a seguir a indicação alimentar orientada pelo site, tanto para meus gatos, como para minhas cachorras.  Por mais de um ano uma cachorra minha da raça Chow Chow (adotei adulta) não crescia os pelos e tomava medicação para hipotiroidismo, após 4 meses de carne crua diariamente e comida feita em casa ela está outra. Que Deus as abençoe hoje e sempre, e sou eternamente grata. Hoje a Mel é outra literalmente. Obrigadíssimo.O trabalho de voces é de suma importância.

Dmitry diz:

Março 6, 2010 às 10:13

A princípio receoso, resolvi testar a alimentação natural depois de minha cadelinha de 11 anos ter desenvolvido lipomas nas mamas, recidivando meses após a cirurgia de retirada. Ela também se coçava e começou a comer ração para alérgicos, que não contém carne aos 9 anos. A coceira melhorou mas ela engordou bastante e perdeu musculatura, além do pelo ficar sem brilho.

Depois de anos de doutrinação de que ração super premium era o melhor que podia fazer por ela, foi difícil mudar de idéia, inclusive indo contra a conversa que tive com 2 veterinários.

Depois de mudar, ela está há 2 anos sem recidivas dos tumores, ganhou músculos, perdeu gordura e o pelo está ótimo, alergias nunca mais. Fora a alegria em comer, que nunca foi tão grande.

A companheira dela também adora a alimentação natural e ficou mais musculosa e magra.

Depois de 1 ano de alimentação natural (dou com carboidratos) posso recomendar a qualquer um a mudança, sem susto. Não pretendo dar ração nunca mais.

Obrigado ao Cachorro Verde pelas valiosas dicas e informações, que me motivaram a pesquisar e repensar antigos conceitos.

Gustavo Adolfo Lapido Loureiro diz:

Olá,

Parabéns pela iniciativa e pela excelente qualidade do site (design e conteúdo).

Eu e meu filho temos um salsicha, o Miúdo.

Há cerca de um ano atrás, comecei a pesquisar sobre alimentação do cachorro, pois queria me livrar das rações. Intuitivamente, já procurava por um tipo de alimentação natural para ele.

Acabei chegando ao vosso site, e fiquei.

Comecei por dar ao Miúdo pescoço de frango ou pé de galinha e variava os tipos de carne da janta, acrescidos dos patês de vegetais que vocês receitam.

Isso nos primeiros meses.

Depois, cortei os vegetais e as variedade de carne, e de lá pra cá, tem sido pescoço de frango + carne moída + osso recreativo esporádico. Num futuro próximo, quero retomar a oferta de vegetais, mas talvez o faça em intervalos maiores. Enfim, o Miúdo adora e, de fato, é incrível o efeito na aparência: o pêlo brilha, o odor “típico” de cachorro diminui muito, enfim, cara-focinho de cachorro saudável. E olhem que eu não dou banho nele há mais de 6 meses. Enfim, que os meus maus exemplos de certo relaxamento não diminuam o aspecto positivo do meu depoimento em dizer que a alimentação natural funciona.

 

Vania Terezinha de Souza diz:

Fevereiro 9, 2010 às 12:29

Meu pai adotou um cãozinho que estava jogado na rua, bem pequenininho, de uma raça mista de viralata, pitbull e algo mais. Quando voltei de BH para morar com meus pais, como amo animais, sou lacto vegetariana desde os 18 (tenho 45 hoje) ,passei a cuidar dele e de um outro que também havia sido adotado. Ele sempre foi meio doentinho, uma sarna que nunca sarava,meio desanimado, nervoso. O outro morreu o ano passado de câncer no intestino, já idoso. Então ele ficou muito deprimido e adoeceu pra valer, de lá pra cá foi uma luta terrível e cansei de antibióticos químicos e passei a medicá-lo com antibióticos naturais presentes na folha de algodão, limão, tanchagem etc….Funcionou e ele vem se recuperando lentamente, está com uns doze anos e passei a alimentá-lo a uns 2 meses com carne crua e ossos crus porque imagino, essa seja realmente a alimentação natural dos descendentes dos lobos selvagens. Tivemos cachorros, na minha infância na roça, que comiam carniça e eram muito saudáveis, vivendo por anos e anos. Daí ele vai se recuperando muito bem , apesar de idoso. Agradeço muito à existência desse site que tem me orientado muito. Obrigada!

Vania.

Mariana diz:

Janeiro 21, 2010 às 10:12

Hola, meu contato é porque lei o depoimento de uma moça com o cão epileptico…minha cadela é. Eu sou a favor da comida natural por varias rações…ahi encontrei o cachorro verde e tambem acrescentei comida crua. Resultado…otimo melhor impossivel.As dermatites dos meus Berneses (Hot spot)simplesmente acabaram. A minha cadela epiléptica, nunca teve convulsão, e achou na minha humilde opinhão que se o cachorro teve uma convulsão, pode ter sido pela excitação por causa da comida, já que eles gostam tanto a mais, que realmente disfrutam, ou qualquer otra coisa, mais não a comida.Minha cadela esta cada vez mais ativa, mesmo tomando gardenal. Eu ja faço esso a varios anos e o meu veterinário esta começando a percibir como mudou a saude dos meus pets…. já disse isso para mim.Parabens, o site é maravilhoso, trabalho muito bom em favor dos nossos amiguinhos.

Flora Angelica Moreira diz:

Olá, Sylvia! Me chamo Flora Angelica, moro em Maringá-PR, e sou mãe da Narcissa – uma Beagle de 2 anos e 4 meses -, e do Yukke, um Poodle Toy de 1 ano e 5 meses. Antes de mais nada, gostaria de parabenizá-la pelo trabalho em prol da divulgação da AN para pets, e também agradecê-la. No ano retrasado, fui presenteada no Natal com o Yukke – então uma frágil e pequenina “bolinha de algodão”, de 4 meses -, mas o que a princípio foi uma alegria, transformou-se numa batalha. Logo na primeira semana, ele apresentou sinais de severa alergia alimentar: vomitava muito, suas fezes eram quase totalmente liqüefeitas, e nelas eu percebia que a ração praticamente não era digerida, mas só “processada” pelo intestino dele. Fiquei preocupadíssima, pois ele rapidamente começou a perder peso, ficou fraquinho, indisposto e os olhinhos até perderam o brilho. Procurei a veterinária Dra. Maricy, que já vinha acompanhando a “Cissa”, e ela identificou os sintomas como sendo os de uma alergia à ração, e a princípio, recomendou que ele passasse por uma dieta de “desintoxicação”, à base de iogurte natural, queijo minas frescal e legumes cozidos, durante 4 dias. Em menos de 2 dias, ele apresentou melhora significativa, e curiosa, passei a pesquisar sobre dietas naturais e “alternativas”, que pudessem diminuir os riscos de nova alergia, e melhorar a qualidade de vida do meu filhotinho. Foi assim que descobri o CV, e através dos artigos e dicas publicados no site, mais um bom tanto de pesquisa e a mão sempre amiga da nossa vet, não só contornamos a alergia do Yukke – hoje um macho saudável e cheio de vida -, como também melhoramos e muito a qualidade de vida da Narcissa, que hoje também compartilha da mesma dieta. Por isso, mais uma vez, agradeço a ti e o teu trabalho! Obrigada!

Adriana Evangelista diz:

Há pouco mais de um ano minha boxer de 11 anos foi disgnosticada com sérios problemas de fígado. Por indicação do veterinário iniciei uma alimentação natural a base de frutas, vegetais e carne cozida. Uma pesquisa na internet me levou ao site do Cahorro Verde que tem me ajudado bastante pois mesmo para o veterinário este tipo de alimentação era uma experiência nova. Em menos de seis meses o resultado foi surpreendente: a intoxicação do fígado foi totalmente eliminada o que comprovou ser a intoxicação devido a tantos anos de ração – e sempre foi tratada com as “melhores” rações disponíveis no mercado ! A comida natural deu tão certo que o próprio veterinário recomendou ao outro boxer da família. Estamos satisfeitíssimos. No princípio até dá um certo trabalho preparar a comida fresca mas com o tempo a gente acaba se organizando melhor o que agiliza o trabalho. Detalhe: minha boxer Berta não pode ver ou ouvir o portão da horta ser aberto que já corre para pedir uma folhinha de couve que ela adora !

 

Rui Brito diz:

Dezembro 30, 2009 às 9:05

Bom dia!

Sou de Portugal e mais ou menos em Abril deste ano, decidi mudar a alimentação dos meus cães. Eles eram alimentados com ração topo de gama (purina)e eu estava satisfeito, confesso. Tinha pena do tártato, que existia sempre, mas quanto ao pêlo, eu gostava do aspecto que era brilhante e com aspecto saudável. Tinha pena de cair muito, mas achava normal. Tal como dizia na embalagem, notava os meus animais bem vivos e alegres, mas tinha pena que por muito pouco alimento que desse e mesmo com exercício, tivessem sempre tendência a engordar, pois são esterelizadas.

Começei então a cozinhar durante uns tempos, carnes e verduras e massas, até que uma amiga me falou deste tipo de alimentação.

Pesquisei e fiz de “cobaias” duas das minhas cadelas…

Pode dizer-se que a sério e por completo, terá começado em Maio esta alimentação.

- O pêlo deixou de cair tanto.

- Agora sim, sei o que é estar liso, sedoso e brilhante!

- Não cheira a cão, faço uma viagem com as duas, de quatro horas todas as semanas e o meu carro não fica com cheiro (uma dálmata e uma labradora cruzada) e é um carro pequeno.

- Deixei de pesar a quantidade de alimento. Dou mais ou menos o que me vem à mão… por vezes, cada uma come mais de um kilo de alimento. São esterilizadas e não estão nada gordas.

- Vitalidade? Sempre tiveram. No entanto, se fizessem um exercicio de corrida de cerca de 10km (costumo fazer isso quase diáriamente), ficavam bem cansadinhas. Ontem, dia 29 de Dezembro, como já eu tinha reparado há uns tempos, correram 10km à velocidade de 30km/h e depois ainda andaram a brincar num charco, correndo e rebolando, mais uma hora inteirinha, sem parar. Chegaram a casa e estavam como se não tivessem feito exercicio nenhum.

Não julguem com isto que são ansiosas ou nervosas, pelo contrário, tenho o meu emprego e só chego ao fim da tarde a casa e durante esse tempo e mesmo ao fim de semana quando estou em casa, elas estão sempre nas suas camas, descansando ou brincam um pouco, mas muito calmamente.

- Tártaro? Tenho nos meus pais uma pequenina com 9 anos. Desmarquei a destartarização. Só come AN de duas em duas semanas, quando visito os meus pais.

- Variedade? Por sorte, tenho um vendedor de carne conhecido (tornei-me) que fornece as sobras do que vende (carcaças, ossos, peles…) dou tudo, sem separar nada. Apenas compro as vísceras, ovos e algum tipo de carne que não é muito frequente, de vez em quando.

Sigo essencialmente a RAW e por isso, não dou quase legumes, mas também adopto muitas dicas deste site, como o uso do alho, dos oleos vegetais, dos iogurtes naturais e da levedura de cerveja.

- Parasitas? No início do verão, terminaram as coleiras insecticidas. Nunca mais tiveram nada. Uso vinagre de sidra na àgua de bebida.

Estou maravilhado!

É prática, simples, rápida de preparar…

Apenas noto mais marcada a hierarquia, pois alimento-as mais ou menos em matilha, embora tenha de vigiar, por causa das brigas que podem ocorrer e não ocorriam, mas só na hora da refeição e aliás, já nem ocorrem, porque a submissa, tal como acontece na natureza, afasta-se, por isso mesmo, vigio, para que come pelo menos o suficiente.

Espero ter contribuido e também eu me coloco à disposição para me darem dicas, conselhos ou pedirem, porque estamos sempre a aprender.

Como refere a Sylvia, tudo resulta! O mais importante da alimentação é retirar os produtos processados e seguir as bases de cada dieta, que adaptamos aos nossos gostos e necessidades. Até breve!

 

Claudia Viana diz:

Ração!

Meus cães sobreviveram com ração durante 7 anos, tenho certeza que depois de tanto tempo comendo o mesmo tipo de comida, eles já estavam completamente de saco cheio. Qdo viam as mesmas bolinhas insossas de sempre pareciam me implorar por algo diferente. Mas tudo mudou, quando EU resolvi mudar. Resolvi deixar de lado todos os anos de achismos e resolvi estudar. Meus cães agora comem comida natural e crua. Se alimentam basicamente de Meaty Bones (Carne com ossos), carnes desossadas, verduras, legumes e alguns suplementos naturais. Nunca mais eles tiveram um problema de pele ou olhos e o tártaro praticamente já não existe mais.

O Cachorro Verde dá todas as dicas pra você começar nesse novo estilo de alimentação. Mas antes de mais nada procure o seu veterinário de confiança e converse com ele. Tenho certeza que não vai ser fácil convecê-lo, afinal de contas, tanto quanto você, ele acredita que o melhor para o seu cãozinho são as bolinhas insossas.

Rosanna diz:

Começamos a nova dieta nesta semana. Após um ano pensando, refletindo, lendo o site… Em alguns momentos deu vontade de desistir, mas tudo foi ocorrendo de forma tão natural como a nova alimentação. Talvez seja um pouco cedo para dizer algo mais profundo ou não. Mas todos aqui em casa gostaram da parte do odor das fezes dos peludos. São 3 cães uma de porte grande e dois pequenos. As fezes estão MARAVILHOSAMENTE mais cheirosas! Mas acima de tudo o prazer que parecem ter ao comer os pescoços é praticamente indescritível. Confesso que achei que seria muito mais complicado e difícil, mas estou me sentindo REALIZADA, podendo oferecer uma alimentação livre de conservantes, acidulantes, e tantos outros “antes”, e sabe mais o quê eles ingeriram até agora. Obrigada Sylvia pelo carinho e dedicação demonstrados no site e nas respostas às dúvidas. Em breve faremos umas fotos da galera em ação! bjus. e lambidas muito agradecidas do Dhurval, Júnior e Maphalda.

Ceci diz:

Olá, gostaria de agradecer a todos que criaram este site riquíssimo em informações importantes que não chegariam nunca a nós se não fosse o trabalho dedicado de vocês. Espero que vocês continuem ajudando a gente, tirando dúvidas e dando dicas. Meus filhotes aqui agradeceram muito!

Conhecia muito pouco sobre alimentação natural, e em poucos dias li TODO o site, devorando todas as informações, e agora não tenho mais dúvidas de que é isso que quero para meus filhos de 4 patas!

Ao pessoal do Cachorro Verde, nosso muito obrigada :)

Sérgio diz:

Alimento me Dogo Argentino desde filhote (30 dias) com alimentação natural.

Carne moída crua e pescoço de frango diariamente alem de vitaminas como óleo de fígado de bacalhau.

Nunca tive problema e hoje com 7 meses esta um touro muito forte e também com crescimento além do normal já que seu irmão alimentado por ração esta menor que ele.

Recomendo a todos.

 

Paula diz:

Agosto 7, 2009 às 11:31

Olá,

Estou extremamente satisfeita com a alimentação natural que as minhas 3 meninas estão recebendo. Uma delas, a Quilla que está acima do peso, perdeu 3 kilos em 2 semanas de forma muito saudável. Estou utilizando o Kefir no lugar do iogurte e esta dando certo. O pêlo parou de cair, os dentes estão muito mais limpos e as fezes durinhas e sem cheiro. Obrigada por compartilhar estes preciosos conhecimentos. Minhas meninas também agradecem.

Abraços

Paula

Jacqueline Thompson diz:

Também não me lembro como cheguei até o site do Cachorro Verde, mas lembro que achava que quanto mais cara melhor a ração. O Simbad era muito chato para comer ração, e eu tentava enganá-lo com uma colherzinha de CHÁ de algum molho de carne ou um pouquinho de arroz. No primeiro dia de AN ele comia e olhava pra mim como se estivesse dizendo “Que delícia! Comida de verdade!”. E depois da comida, muitos lambeijos na mami! :)

Com os meaty bones eles não fizeram feio. Logo de primeira já traçaram tudo, e depois mais lambeijos na mamãe! Ainda tinha medo de oferecer frango com osso, mas aos poucos fui dando pescoço, pé, e depois coxinha, asa. Eles traçam tudo!

As fezes mudaram já no primeiro dia. I-na-cre-di-tá-vel!

A Cinti deu sorte e só comeu 1 semana de ração, 1 semana de adaptação ração-AN e depois só AN. ‘Do lixo ao luxo!’ (obs: resgatei a Cinti da rua, próximo a uma favela). Ela chegou em abril, anêmica, com 9kgs e cerca de 4-5 meses. Hoje ela pesa quase 14kgs e já não está mais anêmica. Hemograma, ALT, creatinina tudo ok (fiz essa semana)!

Mesmo castrado, o Simbad não engordou muito, mas ganhou muita massa muscular. Os músculos estão mais definidos e ele está mais pesado. Apesar de ter somente 2 anos, já estava com tártaro nos dentes caninos. Em 4 meses de AN o tártaro já sumiu de um lado (ele é canhoto) e do outro lado falta bem pouco para terminar a ‘tartarectomia’! Viva os meaty bones!

Também estamos mais sintonizados do que já éramos! Todos os dias quando acordamos, o Simbad vem do meu lado da cama e me olha dizendo: “Bom dia! Vamos comer? Hein? Hein? Hein?”. Se eu balançar a cabeça afirmativamente ou falar ‘comida’, eles saem correndo enlouquecidos para a cozinha! Eles comem seus meaty bones um próximo do outro sem qualquer problema de briga ou roubo, mesmo quando não estou por perto.

De noite, por volta de 18:30-19:00 toca o ‘despertador estomacal’ do Simbad. Ele senta na minha frente, coloca a pata na minha perna e me olha firme. “Podemos comer?”. Eles assistem ao preparo da comida e aguardam paciente e educadamente. Quando eu bato a colher na borda da vasilha, é o sinal de que o jantar será servido e então se dirigem aos seus devidos lugares.

A AN também deixa donos mais saudáveis! Como fico pensando no que foi oferecer para eles, voltei a pensar na minha alimentação que andava bem ‘largada’. Hoje, brinco que ‘roubamos’ a comida dos nossos dogs! Um pouco de inhame, um pouco do bife de fígado, uma vagem, etc… Hehehe :D Se hoje estou mais saudável, é graças a meus cães!

Hoje quando entro numa pet, olho com pena aqueles sacos de ração empilhados e penso: “Isso não é jeito de tratar comida”. E vejo com outros olhos esse comércio alimentício. Não consigo pensar na idéia de oferecer ração a meus cães novamente!

Finalizo agradecendo à Sylvia todas as horas de dedicada pesquisa, reflexão e redação possibilitando que muitos outros donos tenham acesso a toda essa valiosa informação. Estou procurando, mas ainda não encontrei um site em português tão completo, bem feito, com excelente navegabilidade, design de bom gosto e tão rico em detalhes do que o Cachorro Verde! Parabéns pelo seu trabalho e da Vanessa! Tenho certeza de um futuro brilhante para vocês!

Abraços de todos da

Casa do Simbad – Cão que brinca, dorme feliz!

*A Casa do Simbad apóia e divulga a AN entre seus clientes.

Carolina Oliva diz:

Encontrei o site do Cachorro Verde por acaso.

Fazia pesquisas sobre cães na net e “esbarrei” com o site.

Quando li pela primeira vez, confesso até que fiquei um pouco “desconcertada”, hehe. Veja bem: eu sempre acreditei na idéia de que ração era o melhor alimento para os cães, indiscutivelmente. Mas ao ler algumas pesquisas relacionadas às rações, comecei a repensar conceitos, juntamente com o site. E então, a Alimentação Natural fez todo sentido!!!

Ao mesmo tempo que eu descobria o site, lia e relia, e passei a pesquisar mais sobre aliementação natural, minha querida Golden Retriever, Tequilla, reiniciava suas crises alérgicas. Olha só: ela sempre comeu exclusivamente rações super-premium muito indicadas e conhecidas. E as alergias/dermatites/piodermites sempre apareciam, em épocas diferentes, comendo rações de marcas diferentes, tomando banhos em locais diferentes – inclusive em casa. E elas sempre iam e vinham, tratávamos com produtos de aplicação local, e, quando a coisa ficava feia e infeccinava, lá vinham os antibióticos por pelo menos 1 mês, que tratavam os sintomas mas nunca a causa, e claro, podem acarretar problemas à médio prazo para o organismo do cão. “Por que ela tem alergias??” eu sempre perguntava. E as respostas nunca me satisfaziam.

No início deste ano, ela praticamente começou o ano com alergias. Em março, a coisa ficou feia, e lá vinham antibióticos + shampoo anti-séptico + vitaminas para o pêlo e para a pele + ração hipoalergênica. Ao mesmo tempo, eu passei a pesquisar sobre dermatites, hipersensibilidade alimentar, componentes das rações. E cada vez mais eu me convencia que não fazia sentido entupir nossos pets com a mesma comida industrializada e artificial TODOS OS DIAS!!!…E cada vez mais a BARF e os conceitos da Alimentação Natural e do Cachorro Verde, me pareciam tão certos!

Então, após 1 mês e meio de antibióticos, haviamos parado o tratamento havia cerca de 10 dias, e a alergia voltou, EXATAMENTE no mesmo lugar!!!!Mesmo com shampoos anti-sépticos, vitaminas, ração anti-alérgica carésima!!! Foi o basta para entrar de cabeça na AN.

Iniciamos a adaptação, lentamente. Resolvi também que daria uma chance à homeopatia, porque também estava cansada de tratar os sintomas, mas nunca o organismo como um todo. Tequilla virou natureba em 1 semana!…E eu não poderia estar mais feliz: estamos com Alimentação Natural há pouco mais de 2 meses, e nem me lembro que existe ração!…Além de todos os benefícios que observei até agora:

- Alegria SEM TAMANHO na hora das refeições;

- O pêlo está mais bonito e cai menos;

- Cocôs sem cheiro e durinhos, e em volume muuuiiiiiitoooo menor;

- Tequilla estava cerca de 3kgs acima do peso, e já estava fazendo regime com ração há quase 2 meses, e emagreceu 500g se muito. Com 1 mês de AN, ela voltou ao peso ideal e o está mantendo facilmente;

- Ela teria que fazer raspagem de tártaro no final do ano – e olha que ela só tem 3 anos e só comia ração super-premium – não vai mais precisar, pois o tártaro praticamente SUMIU;

- Mais saúde e vitalidade;

- E o que me deixa mais feliz: AS ALERGIAS SUMIRAM!!!!!!

Sim, com 1 semana de início de AN + homeopatia, as alergias começaram a regredir e DE-SA-PA-RE-CE-RAM!…Dois meses sem alergias é uma vitória para quem estava há praticamente 5 meses direto com dermatites. Não usamos mais shampoos anti-sépticos nem vitaminas ou suplementos para o pêlo e para a pele. Não vacinamos desnecessariamente. Uma vida de menos excessos, menos super-proteção, dando uma chance pro sistema imunológico se fortalecer. Agora estamos parando com os carrapaticidas que ela sempre usou religiosamente todo mês, e ainda sim pegava carrapatos. Agora não acho mais nada no pêlo. Ela não ficou mais doente. Está alegre e saudável. Estamos fazendo tratamento apenas com homeopatia; chega de tratamentos agressivos.

Sylvia, me desculper por ter me prolongado com um texto tão grande. Mas como diz nossa amiga Camilli, como nos abreviar com tantos benefícios???

Aproveito para agradecer sua disposição e paciência em responder todas as nossas dúvidas e por divulgar um assunto tão importante para a saúde dos nossos pets queridos, e claro, parabenizar pelo site, pesquisa e estudos frequentes sobre o assunto!

Abraços!!!

Carol Oliva

Camilli Chamone diz:

A minha idéia em iniciar a alimentação natural em meus cães veio da insatisfação com a ração industrializada. Provavelmente, se eu estivesse 90% satisfeita com seus resultados não teria mudado (só alimentava meus cães com rações “super premium”). Mas, estava incomodadíssima com vários aspectos:

- a morte de mais de 5000 pets na América do Norte, provocada por ração industrializada (http://villechamonix.blogspot.com/2008/09/recall.html)

- a entrevista que citei neste post (http://villechamonix.blogspot.com/2008/08/rao-eca.html)

- a inapetência de meus cães

- o fato de eu ter que complementar a ração com comprimidos de ômegas e probióticos para manter o pêlo bonito (custo altíssimo)

- fezes muito mal cheirosas

- consistência das fezes

- quadros de diarréia em filhotes, inexplicáveis!

Há três meses, quando passei a utilizar a alimentação natural em meus cães, ainda pensava em alimentar apenas os “cães da casa” naturalmente e alimentar os filhotes, que irão para novos lares, com ração industrializada. Hoje, essa não é mais a nossa realidade. Os benefícios da BARF (bones and raw food) são tantos que não me sinto no direito de privar os filhotes do, que acredito ser, o melhor para eles.

Desde o primeiro momento em que iniciamos essa dieta, a mudança mais notável foi a disposição deles para comer. E, ainda, mantém a mesma disposição e felicidade quando apareço com as vasilhas de comida. Isso não é maravilhoso? Diminuiu MUITO a queda de pêlos. Quando eu digo MUITO, tenho que colocar em letras maiúsculas, porque diminuiu MUITO MESMO! Não é preciso varrer a casa 2X por dia mais.

Quem tem buldogues franceses e tem o hábito de fazer citologias otológicas frequentemente, sabe que é muito comum otite por malassezia ssp. Nas consultas mensais do vet, aqui em casa, quando ele fazia o swab nos ouvidos e vinha a cerinha, eu já começava a rezar, mas não adiantava muito… sempre dava otite por malassezia. Não me lembro de uma única vez que o vet veio e havia 0% de otites.

- Caiu água no banho, Camilli?

- Nem deixei cair água na cabeça!

- Brincaram na chuva de novo, Camilli?

- Não choveu!

Bem, as coisas agora mudaram radicalmente!

Os ouvidos dos meus frenchies queridos estão limpíssimos, a mucosa está lisinha, não há nenhum sinal de cerúmem lá dentro e as citologias estão com resultados excelentes!

Esses dias, fui encomendar um creme na farmácia de manipulação e a atendente me perguntou se eu não ia pedir “miconazol” (medicamento para tratar a otite). Parece-me que não vou precisar mais!

Como cãezinhos tão a-d-o-r-á-v-e-i-s podem eliminar gases tão terrivelmente f-e-d-i-d-o-s em nossa atmosfera??? Pois, acreditem: com a alimentação natural os gases sumiram quase totalmente. Parece que o intestino dos frenchies é muito sensível à quantidade de carboidratos da ração, tendo sua biota muito modificada e, consequentemente, produzindo muitos gases.

O problema de fezes amolecidas e diarréia foi 100% eliminado aqui em casa. Aliás, não resisti e fiz uma foto dos côcos para que vocês pudessem ter uma idéia! São bem durinhos, daqueles que nem marcam o chão depois de removidos. O pêlo parece que foi encerado. Brilha! Além disso, é bem sedoso ao toque. Aliás, a Aline e a Patrícia comentaram isso comigo outro dia.

Como se não bastasse isso tudo, fiz o hemograma de meus cães recentemente e comparei com o hemograma do ano passado, quando os alimentava com Royal Canin Mini Junior/Adult:

2007 – BELA

Hemácias: 5.480.000 mm3

Hemoglobina: 13,0 g/dl

Hematócrito: 38,9 %

VCM: 71,0 fl

HCM: 23,7 pg

CHCM: 33,4 g/dl

2008 – BELA

Hemácias: 8.060.000 mm3

Hemoglobina: 17,90 g/dl

Hematócrito: 51,65%

VCM: 64,08 fl

HCM: 22,21 pg

CHCM: 34,66 g/dl

Não sou aquela pessoa que adora dizer jargões, mas… contra fatos não há argumentos! :)

Não estou aqui fazendo apologia à alimentação natural. Sei que ela não é perfeita, mas acredito que é o melhor que posso oferecer para os meus buldoguinhos. Estou continuamente estudando sobre o assunto e se aparecer algo que, na prática e na ciência testada, sustente-se mais, não hesitarei em divulgar e mudar. Para mim, ração é passado.

Infelizmente, a maior desvantagem da alimentação natural é ainda o despreparo dos profissionais médico-veterinários frente a essa mudança de paradigma. Muitos nem sabem de que se trata – ainda acham que é só pescoço de peru e água -, mas relutam em expandir suas mentes para aprender além daquilo que lhes foi ensinado na universidade, que está nos livros clássicos da medicina veterinária ou, pior, aprendem apenas o que lhes ensina o vendedor de ração que bate às portas de seus consultórios com seus folhetinhos brilhantes e repletos de gráficos.

Isso é UM POUCO do que eu posso dizer da minha EXTRAORDINÁRIA experiência com alimentação natural! ♥

No meu blog eu falo ainda mais: http://villechamonix.blogspot.com/

Adoraria não ocupar um espação da sua página, Sylvia! Mas, como me abreviar com tantos benefícios?

Saudações!

Camilli Chamone

Criadora de Buldogues Franceses

Vivianne Mello – Vixbull diz:

Sempre li sobre alimentação natural em suas várias formas, e a minha vontade de passar meus cães para uma dieta que eu tivesse mais controle sob os ingredientes e métodos de preparo era imensa. Mas pela falta de um “suporte brasileiro” e por ter um preconceito de achar ser algo extremamente trabalhoso, complicado e complexo, achei que era uma realidade ainda distante daqui. Foi aí que, quase que na mesma época do que a Sylvia, fomos estudando e descobrindo maravilhosas alternativas a alimentações mais tradicionais, que não eram nem de longe tão complicadas quanto pareciam a primeira vista.

Mais de um ano se passou e meus cães são outros. Desde benefícios óbvios externos, como pelagem, dentes, hálito, fezes e punzinhos; assim como os internos também, comprovadíssimos por hemogramas, não consigo mais pensar em uma melhor alternativa para a nutrição dos meus cães. Na verdade, não precisei de um ano para observar as mudanças, e sim de poucos dias, mas hoje em dia vejo como tudo mudou radicalmente (para melhor!)

Ainda não tive uma ninhada para começar a alimentá-los com a alimentação natural, mas estou bastante animada para começar desde o desmame!

Para quem quer iniciar a dieta, leia o site direitinho, pesquise, procure, cave no google e garanto que não irá se arrepender. Os benefícios são realmente tudo que as pessoas dizem, não é exagero.

Obrigada, Sylvia, por nos orientar e estudar a fundo essa dieta, sempre procurando links de interesses, análises e incansavelmente respondendo a todas as dúvidas que temos.

Abs,

Vivianne Mello

Criadora de buldogues franceses

Canil Chantilly Exclusive

Yuri Brancoli diz:

Queridos, queridas

Tô escrevendo prá dizer que estou muito feliz com o sucesso da BARF aqui em casa com meus cachorros (quatro golden retrievers adultos).

Dois deles encararam ossinhos de pescoço já de saída, nunca tiveram problemas durante a adaptação. Já outros dois foram um tanto mais chatinhos, pareciam simplesmmente “não saber” o que fazer com aquela “coisa estranha” no prato.

Então fiz assim: na primeira semana, fui diminuindo gradualmente a ração seca industrializada (Purina Large Breed)e aumentando o porção de ossos de pescoço de galinha crus. Para os dois “esfomeados” dava pedaços picados grosseiramente, para os dois mais chatinhos eu batia no liquidificador até formar um purê.

Na segunda semana, mantive apenas os ossos de galinha (inteiros para os dois que gostavam da brincadeira e purê para os outros dois) e introduzi a dieta noturna (carne + vegetais + legumes + suplementos).

A transição do purê para os pedaços inteiros tive que fazer de maneira gradual, com os dois mais renitentes: de purê puro fui acrescentando, dia à dia, pedacinhos de ossos de pescoço, cada dia um pouco mais até que eles se adaptaram bem e já comem os pescoços picados sem problemas.

Com relação ao custo, planilhei cada item e temos uma economia de cerca de 20% em relação ao que gastávamos em ração. Se o alho realmente funcionar como controle de pulgas e carrapatos, essse custo vai cair ainda mais, pois gastamos cerca de R$ 180,00 por mês em spot ons.

Com relação ao trabalho, tirando o tempo gasto nas compras (uma ida ao açougue e outra à feira), levo cerca de 3 horas semanais para preparar e congelar as refeições para sete dias.

Hoje já faz três semanas que os quatro estão em dieta exclusivamente BARF e notei as seguintes alterações:

1. O tártaro dos dentes praticamente desapareceu. É impressionante! A mais velha das minhas goldens (04 anos) estava, inclusive, com uma sessão para retirada de tártato marcada com a veterinária – que foi cancelada, por não haver mais necessidade

2. As fezes caíram para menos da metade da época em que comiam ração. E não tem praticamente nenhum cheiro. Notei uma diminuição significativa no cheiro da urina também. Antes, tinhamos que lavar o canil duas vezes por dia, hoje apenas uma

3. Todos os quatro tinham que tomar banhos mensais (e, em períodos de chuvas, semanais) por conta de um forte cheiro constante. Este cheiro também desapareceu. Passamos por uma semana inteira de chuva e nem assim o clássico cheiro de cachorro molhado voltou

4. Também percebi uma sensível mudança no humor deles. Estão mais tranquilos, mais calmos, contemplativos e nada agitados.

5. A única coisa negativa, até o momento, foi o surgimento de manchas escuras ao redor dos olhos deles, que antes não tinham. Achei estranho, porque esse é um dos benefícios apregoados à dieta BARF. Vou continuar mais algumas semanas e ver se isso é um efeito temporário ou se o problema vai persistir.

Estamos muito satisfeitos com a dieta, agradecemos ao Cachorro Verde e recomendamos a quem tiver interesse, que tente fazer a mudança. Vale a pena.

Kathleen Schwab – Canil Phanomen diz:

Os alimentos industrializados sempre me incomodaram por apresentarem mudanças (cor, cheiro, textura, umidade) de acordo com o lote ou época. Além disso, com a ascensão do mercado pet, nos deparamos com preços cada vez mais abusivos e qualidade em declínio (os cães estavam nos mostrando isso).

Foi após muita pesquisa que em Agosto de 2004 começamos a alimentar parte do nosso plantel com uma dieta natural e que já trazia benefícios para muitos animais em todo o mundo. O objetivo era saber, na prática, quais os benefícios e como seria a adaptação… e os resultados nos surpreenderam. Aos poucos fomos realizando algumas mudanças para viabilizar a oferta dessa dieta para todos os nossos cães: compramos freezer, mudamos a nossa rotina e fizemos contato com fornecedores. Isso levou algum tempo mas é com muita satisfação e orgulho que atualmente nossos cães são alimentados somente com Alimentação Natural, uma dieta saudável, nutritiva e específica, que tem se mostrado a melhor opção para quem se preocupa com saúde e bem-estar! Nossos cães nos provam isso todos os dias!

Os benefícios são tantos que parece mentira: é notável a diferença na disposição e saúde; percebemos maior fertilidade; sistema imunológico mais forte; os riscos de torção gástrica diminuem drasticamente; as fezes têm odor diferente e volume muito reduzido; tártaro e mau hálito desaparecem. É nítida a melhor digestão e absorção do alimento… enfim, é qualidade de vida. Tanto é que muitos amigos, a maioria tendo experimentado a AN após conhecerem nossos cães, não querem mais saber de outro tipo de dieta para seus cães. Não tenho palavras para expressar a minha alegria quando descobri o site Cachorro Verde. A dieta natural precisa ser divulgada para o bem dos nossos pets!