Tudo o que você precisa saber sobre os ossos carnudos, os “meaty bones”.

1. O que quer dizer ossos carnudos / meaty bones?

Está aí um termo que você vai ler muito aqui no Cachorro Verde. Traduzido do inglês, ao pé da letra, “meaty bones”, significa “ossos carnudos”. Ou seja, são ossos contendo carne. “Todo osso contêm carne”, você deve estar pensando. Como, então, determinar quais ossos, afinal, seriam meaty bones?

 

2. Quem são os ossos carnudos?

São peças compostas por osso e carne, que podem ser mastigadas pelo cão ou gato com facilidade e totalmente ingeridas. Um osso como o fêmur, por exemplo, mesmo que contenha carne, é duro demais para ser devorado inteiro durante a refeição. Por isso não é um meaty bone. Em contrapartida, o pescoço de frango pode ser oferecido a cães de qualquer porte e a gatos, e ao fazê-lo, você garante a ingestão de carne e de osso.

 

3. Por que entram meaty bones na Alimentação Natural Crua? Quais são as vantagens de oferecê-los?

Porque a alimentação natural crua se baseia na dieta canídeos e felídeos selvagens. Na natureza, esses primos dos nossos pets se alimentam das carcaças de suas presas, de onde obtêm grande parte dos nutrientes de que precisam.  

Oliver mastigando um pedaço de carcaça

 

4. Exemplos de bons meaty bones 

Pescoços, cabeças, pontas das asas e carcaças (costelas ou costas) de frango são os melhores meaty bones, indicados a praticamente todos os portes de cães e até para gatinhos – o que vai mudar é que, dependendo do tamanho do seu cão e da capacidade dele de mastigar os ossos você pode oferece-los moídos, picados, cortados ao meio ou inteiros.

Além desses cortes, cães de porte médio e grande podem receber também pescoço ou asa de peru, codornas inteiras, pescoço, asas ou carcaças de pato, de ganso ou de faisão, rãs inteiras ou coelhos.

Pescoço de frango, o meaty bone ideal para iniciar o pet

 

5. Exemplos de maus meaty bones

São aqueles que o pet demora muito para comer, ou aqueles que apresentam risco de engasgo. Seu cão provavelmente levaria um tempão roendo um pé de porco até finalmente ingerir tudo ou boa parte da peça. Roer não é o mesmo que comer. Portanto, peças grandes, com ossos duros devem ser oferecidas ocasionalmente (exemplo: uma vez a cada 10 dias), para limpeza dos dentes e das gengivas (leia mais sobre isso aqui). Por não serem consumidas totalmente, essas peças não oferecem de forma adequada o cálcio e o fósforo na proporção ideal.

Ossos de aves que sejam longos ou muito duros podem causar engasgos e não são recomendados. Exemplo: coxas de frango, sobrecoxas de frango, drumetes de frango (coxinha da asa), pés de frango, costela de boi ou de porco, suan de porco, rabada de boi. Não recomendamos oferecer nenhum desses cortes.

Costela bovina: não é um bom meaty bone – Não ofereça ao seu pet!

 

6. Por que o site recomenda o uso de meaty bones de frango?

Porque o frango é:
a-) repleto de meaty bones facilmente mastigáveis e de tamanhos diversos;
b-) uma carne nutritiva, pouco a moderadamente gordurosa, de fácil digestão e que agrada ao paladar dos pets;
c-) barato e fácil de encontrar
Note, entretanto, que quanto mais variedade na alimentação natural, melhor. Sempre que for possível, ofereça peças de outras espécies.

 

7. A carne do frango não é cheia de hormônios? Consumir meaty bones de frango regularmente não poderia prejudicar a saúde do meu pet em longo prazo?

É imperativo desfazer esse equívoco. O uso de hormônios para criação de frangos de corte é proibido no Brasil. Para saber mais, leia este artigo, escrito pelo Engenheiro Agrônomo, PhD em Nutrição Animal e Professor Titular do Departamento de Zootecnia da UFRGS, Antônio Mário Penz Junior. Nosso frango é grande graças ao melhoramento genético, à nutrição e a técnicas de manejo, não por causa de hormônios.Como exportamos grande parte de nossa produção, essa questão do hormônio é criteriosamente checada e caso fosse detectada a presença de hormônios na carne, ocorreriam sérios embargos. Além disso, ofertar hormônios para cada ave (o Brasil é um dos maiores produtores mundiais) sairia caríssimo e nosso país se orgulha de produzir um quilo de frango barato. No entanto, se sua preocupação são os promotores de crescimento, a eventual contaminação por microorganismos resistentes e o estresse das aves criadas em regimes de confinamento absurdamente estressantes, procure peças orgânicas ou “free-range”. E ofereça também peças de outros animais, como peru, coelho, etc.

 

8. Qual é o melhor meaty bone para iniciar um pet na Alimentação Natural?

O pescoço de frango. É uma peça molinha, palatável, fácil de mastigar, deglutir e digerir. Pode ser oferecida a gatos e a cães de todos os portes e idades. E ainda que o pescoço seja engolido inteiro, sem mastigação, pelos pets mais vorazes, não causará problemas ao trato gastrointestinal.É sempre recomendável começar dando pescoço de ave. A cabeça do frango (ou de qualquer ave), sem o bico, também é um meaty boneindicado por ser molinha e barata. Você pode oferecer o pescoço contendo a cabeça ou servir as peças separadamente.

 

9. Quais seriam os meaty bones mais indicados para cada porte de cão? E para gatos?

 

Clique aqui para baixar uma tabela com indicação dos melhores meaty bones para cada porte de cão, e para gatos, e como oferece-los

 

10. Quanto custam os meaty bones?

Depende da espécie, da peça em si e da região onde você mora. Frangos costumam ser a espécie mais em conta. Pode valer a pena comprar o frango inteiro e pedir para o funcionário da feira ou do açougue separar os cortes (meaty bones) e cortar o filé de peito em cubos para serem oferecidos como carne desossada. Em feiras na região sul de São Paulo, compro pés e pescoço de frango por R$3,50 e a carcaça, por R$3,00. Mas conheço adeptos da alimentação natural que compram grandes quantidades de meaty bones em granjas e conseguem preços muito melhores. Peças de outras aves (pato, codorna, faisão, ganso) e animais exóticos (rãs, coelho) são mais caros. Mas também é questão de procurar. Vai que aí na sua região existem fornecedores dispostos a vender baratinho meaty bones – em geral peças de descarte – dessas espécies? É questão de garimpar e barganhar antes de começar.

 

11. Onde posso comprar meaty bones?

Asas de frango você encontra em praticamente todos os lugares onde carnes são vendidas: supermercados, açougues, feiras-livres. Já carcaças, pescoços e cabeças de frango e de peru, são encontrados em feiras e nos açougues – nesses últimos, em geral sob encomenda. Meaty bones de boi e porco também podem ser encontrados em feiras e açougues. É questão de fazer amizade com o fornecedor e encomendar com antecedência.

Peças de animais exóticos podem ser um pouco mais difíceis de achar, salvo em lugares onde o consumo faz parte da cultura local. Em São Paulo (Capital), meaty bones desses animais podem ser comprados em boutiques de carnes ou nos mercadões municipais.

Se você tiver cães de porte grande ou um grande número de pets, vale a pena procurar granjas ou abatedouros/frigoríficos para fornecimento regular de grande quantidade de meaty bones. Quem faz assim garante que os preços despencam. Em muitos casos é possível combinar entrega em casa, o que fica ainda mais cômodo.

 

12. Como devo congelar os meaty bones?

É aconselhável oferecer ao pet meaty bones que passaram pelo menos 72 horas em um freezer a – 18 graus centígrados. Isso porque o congelamento é medida preventiva contra protozoários e parasitos que possam estar encistados na carne. Pedir para o fornecedor (açougueiro, feirante, granjeiro, etc) separar e congelar as porções, é uma maneira de você já levar pra casa os meaty bones congelados. Depois é só mantê-los congelados e ir descongelando na véspera de cada refeição. Caso o fornecedor não possa fazer esse favor, compre as peças descongeladas e mantenha-as no seu freezer por pelo menos 3 dias antes de oferecer. Para meaty bones suínos e carnes suínas, aconselha-se um tempo de congelamento maior. Sempre que for possível acomode as porções em saquinhos para freezer reutilizáveis (laváveis) ou tupperwares, para poupar o meio ambiente. Disponha as porções no freezer de modo a permitir que o ar gelado circule bem e promova um congelamento rápido, uniforme e eficaz. Evite abrir à toa o freezer, e não mantenha as peças congeladas por mais de dois meses, para não perderem qualidade.Observação: é importante ter cuidado com meaty bones e carnes no caminho até sua casa. Não deixe que fiquem no sol ou em lugar quente por muito tempo. Se o trajeto for longo, leve uma caixa de isopor para acondicionar as peças.

 

13. Como devo preparar os meaty bones?

Todos os meaty bones devem sempre ser oferecidos crus. Sempre.
Nunca, jamais, em hipótese alguma, cozinhe, ferva, frite, refogue, asse ou aqueça qualquer meaty bone. Também não recomendo descongelar meaty bones no microondas porque no descongelamento o aparelho pode acabar cozinhando levemente os ossos. Ossos submetidos a qualquer tipo de aquecimento se tornam muito perigosos. O colágeno dos ossos, quando aquecido, muda de estrutura e transforma o osso num material pouco digestível que pode, ao ser mastigado ou quebrado, formar pontas que podem perfurar o estômago ou o intestino do pet.

Se os meaty bones forem comprados já congelados, mantenha-os congelados em seu freezer. Se você comprou peças descongeladas, separe as porções e congele-as.

Despreze o excesso de gordura próximo à cauda das carcaças de frango. Corte e jogue fora o “rabinho” da ave (uma parte gordinha que contêm fezes) que vem junto com as carcaças. Remova o bico das cabeças de frango e a pele dos pescoços. Manter a pele e o excesso de gordura dos meaty bones pode aumentar muito o teor de gordura da dieta.

 

14. Como devo oferecer os meaty bones?

Meaty bones, ou ossos carnudos (peças contendo ossos) devem sempre ser oferecidos crus. Cozidos eles se tornam perigosos – podem causar perfurações no estômago ou no intestino.

 

Ofereça meaty bones compatíveis com o porte do cão ou gato (baixe aqui uma tabela para escolher os meaty bones mais seguros para o seu pet de acordo com o porte dele). Cabecinhas de galinha para um São Bernardo provavelmente não serão mastigadas. Da mesma forma, dar um dorso (“carcaça”) de frango inteiro para um gato ou para um Pinscher é pedir para o animal ter dificuldades.

Para filhotes muito novinhos (30-50 dias) é uma boa idéia começar com pescoços de frango moídos, depois cortados em rodelas cada vez maiores até que você esteja oferecendo a peça inteira ou cortada em dois a três pedaços.

Também convém amornar a porção antes de servir aos filhotinhos. Basta aquecer um pouco de água, colocar os meaty bones dentro de um saquinho, e deixar o saquinho por um tempo dentro da água. Note que a água deve estar apenas quentinha, nunca fervente.

Nos demais casos, ou seja, para animais adultos e saudáveis, você deve oferecer meaty bones inteiros sempre que for possível, para que o animal mastigue e com isso, desgaste a placa bacteriana e o cálculo dentário (“tártaro”). Temos a tendência de achar que os animais engasgarão com peças maiores. Mas na verdade é justamente o contrário. Quanto maior a peça, mais mastigação ela exigirá e menores chances ela terá de provocar engasgos.

 

Pescoço de frango sendo cortado em rodelas

 

15. Que cuidados devo ter ao oferecer meaty bones?

Alguns cães e gatos não gostam de ser acariciados ou provocados quando estão comendo, portanto, não permita que o pet seja perturbado por crianças ou outros animais na hora das refeições. Aliás, se você possui mais de um animal, não os alimente juntos. Isso estimula disputas que podem terminar muito mal, ou culmina com o animal líder comendo a comida dos outros. Reserve um canto da casa para cada pet, ou alimente um por vez. Não submeta os meaty bones a nenhum tipo de cozimento! A cocção faz com que os ossos produzam lascas muito duras ao serem mastigados, o que pode favorecer incidentes gastrointestinais. Já a peça crua – todos os canídeos e felídeos selvagens estão de prova – é infinitamente mais segura. Portanto, sempre ofereça meaty bones crus, e não se preocupe se estiverem frios. Os pets se acostumam tranqüilamente a consumi-los assim.

Sirva os meaty bones em vasilhas, mas não se espante se seus pets não comerem a peça dentro do recipiente. É assim mesmo. Eles arrastam o meaty bone para o chão e o devoram ali. Por isso procure alimentar os animais em área externa (tudo bem se ele ingerir um pouco de terra e grama), sobre um jogo americano, ou piso de fácil limpeza, como a cozinha, o box do banheiro, etc.

Lave bem as mãos antes e depois de manusear qualquer carne, osso ou meaty bone crus.

Se depois de um tempo – digamos, uns 15 minutos – seu pet não tiver comido os meaty bones, recolha as peças e guarde-as na geladeira para oferecer mais tarde. Não as deixe expostas ou poderão estragar e atrair moscas. E por fim, muito importante: supervisione sempre o consumo de meaty bones.

 

16. Ofereci meaty bones e meu cão não quis comê-los. E agora?

Clique aqui e leia um texto (“Pergunte ao Cachorro Verde n° 7”) que traz várias dicas de como acostumar seu cão a comer meaty bones.

Filhote de 55 dias devorando um pedaço de pescoço de frango

 

17. O que são ossos recreativos?

Clique aqui para ler tudo sobre os ossos reacreativos.

 

18. É possível oferecer uma dieta natural sem meaty bones?

Sim, mas para isso a formulação precisa ser adaptada. Consulte aqui no site nossa sugestão de dieta crua sem ossos, e dieta sem ossos com alimentos cozidos.

 

Goomba e um dorso de frango inteiro

Referências:

* Work Wonders: Feed Your Dog Raw Meaty Bones: DVM Tom Lonsdale – 2005, ed. Rivetco
* Raw Meaty Bones Promote Health: DVM Tom Lonsdale – 2001, ed. Rivetco
* The BARF Diet – Raw Feeding for Dogs and Cats Using Evolutionary Principles: DVM Ian Billinghurst – 2001,  Warrigal Publishing
* Give Your Dog a Bone: The Practical Commonsense Way to Feed Dogs for a Healthy Life: DVM Ian Billinghurst – 1993,  Warrigal Publishing
* Grow Your Pups with Bones: The BARF Program For breeding Healthy Dogs And Eliminating Skeletal Disease: DVM Ian Billinghurst – 1998,  Warrigal Publishing
* Dr. Pitcairn’s Complete Guide to Natural Health for Dogs and Cats: 3rd Edition: DVM PhD Richard Pitcairn – 2005, ed. Rodale
* The Nature of Animal Healing: DVM Martin Goldstein – 1999, ed. Ballantine Books
* Raw Dog Food: Make It Easy for You and Your Dog: Carina Beth Macdonald – 2003 ed. Dogwise Publishing

Bom apetite e uma lambida do Cachorro Verde!

Publicado em 9 de janeiro de 2009 e atualizado em 8 de agosto de 2013 por Sylvia Angélico 

Fique por dentro!

Fique por dentro!

Inscreva-se na nossa newsletter para receber nossas novidades por email.

You have Successfully Subscribed!